Serviço de Utilidade Pública - Lei Municipal nº 5096/2011 de 24 de Novembro de 2011
Criado por Adriano Araújo e Emmanuel Sousa
retalhoscg@hotmail.com

QUAL ASSUNTO VOCÊ ESTÁ PROCURANDO?


Por Rau Ferreira

Encontrei nos arquivos da Biblioteca Nacional sediada no Rio de Janeiro algumas notas sobre aquilo que eles chamaram de “A questão religiosa” e que entre nós ficou mais conhecida como a sedição do Quebra-quilos.

Nesse contexto, escreve o secretário da sociedade “Segredo e Lealdade”, Sr. Justiniano Cavalcante de Albuquerque Bello uma carta dirigida a “Ganganelli”, pseudônimo do ilustre e benemérito cidadão Saldanha Marinho, que “na monarchia tem o título de conselheiro, mas que o paiz inteiro o chama familiarmente pelo nome porque elle é uma glória nacional”. Acrescenta o documento que as verdades notórias calaram o espírito da “Segredo e Lealdade”, razão pela qual publicava esta missiva com a manifestação da maçonaria campinense:


“Cidade de Campina Grande, 12 de outubro de 1873. – A questão religiosa que hoje tanto preoccupa os grandes homens do paiz, que por longos mezes tem servido de objecto à grandes e sérios estudos, que abafou a política nacional, que trouxe ao parlamento brazileiro em completo desaccordo e que finalmente, affectando desde o primeiro cidadão da nação, traz estremecido até o infeliz jornaleiro da ultima camada social, constituída dest’arte o ouropel do século, tem feito com que o gemido dos prelos tenha por toda parte echoado, e que também as sublimes inteligências do Império m qualquer parte onde existam, derrame torrentes de luzes em ordem a esclarecer as classes ignorantes, habilitando-as por este meio a que comprehendam o fim a que se propõem evitar, matando assim o impulso áulico por um lado e a sanha jesuítica, que por outro se revela desde o c’roinha até as botinas de seda, que ocupam quatro grandes partes do Brasil.

Assim, pois, a sociedade Segredo e Lealdade, instalada na cidade de Campina Grande sente profunda emoção, quando lê os escriptos de GANGANELLI e se possui dos mais súbitos gráo de prazer, quando vê este incansável lidador libralisar à humanidade seus conhecimentos fazendo desabrochar turbilhões de jubilo sobre nossas consicências, em ordem a prepararem para bem comprehender a mais nobre e elevada questão que já se agitou em nosso paiz, sendo esta grande à obra do nobre cidadão e immortal GANGANELLI.

É por demais grato a esta sociedade dirigir à GANGANELLI esta mensagem honrosa e pedir-lhe a graça de aceitar este nosso cumprimento como um tributo ao mérito.

Esta sociedade faz primícias ao Altíssimo para que a penna de um grande cidadão como GANGANELLI, não cesse de manifestar ao séculos os grandes conhecimentos históricos de envolta com as antigas lendas para servirem de prova à grande parte do clero brazileiro os abusos com que pretendem firmar os erros do seu absurdo ultramontanismo.

E que por tempos imorredouros tenha esta sociedade o prazer de ler e apreciar seus escriptos e a ventura de por longos annos aplaudir seu nome. – O secretário, Justiniano Cavalcante de Albuquerque Bello.

A Loja Maçônica Segredo e Lealdade foi fundada no ano de 1873. Com a prisão de D. Vital – Bispo de Pernambuco – em 1874, o vigário de Campina Grande, Padre Calixto Correia da Nóbrega, com o auxílio do Padre Ibiapina, instigou o povo campinense contra os maçons, expulsando-os da igreja e destruindo o seu templo.

O missionário Ibiapina era eminentemente pacifista e ao perceber as duras intenções do vigário campinense, arrepende-se e volta a sua missão apostolar e a construir suas casas de caridade.

Quanto ao vigário Calixto, foi preso e conduzido à Parahyba (atual João Pessoa) para ser julgado pelo Tribunal do Júri. Defendeu-o Irineu Jóffily. Foi absolvido e permaneceu na direção de sua paróquia até a sua morte.


Referência:

- GUIMARÃES, Luiz Hugo. A Paraíba nos 500 Anos do Brasil. Anais do Ciclo de Debates do IHGP. GRÁFICA - SEC/DPG. João Pessoa/PB: 2000.

- IHGP, Revista do. Ano C, N° 42. João Pessoa/PB: 2012.

- O SANTO OFÍCIO, Jornal. Ano III, N. 50, Edição de 15 de dezembro. Pará: 1873.

4 comentários

  1. Soahd Arruda on 25 de abril de 2013 08:33

    É o registro da intolerancia Religiosa, quem não fosse numa linha, era contraventor e o governo apoiava duras penas..Interessante Que Padre Ibiapina deixou uma casa de caridade em Pocinhos, exatamente no local onde chefiava Irineu Jóffily , que defendeu o padre julgado...O texto como tem grande parte da linguagem eruditada da época, ficou um pouco confuso. Mas o recado do que aconteceu é certo, a famosa INTOLERANCIA.

     
  2. Edmilson Rodrigues do Ó on 25 de abril de 2013 09:56

    Apenas para relembrar o desenrolar dos fatos. Irineu Ceciliano Pereira da Costa, que depois adotou o nome definitivo de Irineu Ceciliano Pereira Joffily (1843 - 1902), não apenas chefiava, como também era filho natural de Pocinhos tendo a sua influência política se espalhado por várias regiões do Estado da Paraiba.O seu prestígio era tal que, pelo Dec.-Lei Est. 520 de 31/12/1943 a então vila de Pocinhos passou a denominar-se Jóffily em sua homenagem. Entretanto, tal fato não agradou a maioria do povo pocinhense e, pela Lei-Est. 986 de 10/12/1953 que elevou o distrito de Pocinhos a categoria de cidade e comarca desmembrando-o de Campina Grande,o nome Joffily foi revogado passando a prevalecer definitivamente o nome de Pocinhos.
    O Padre José Antonio de Maria Ibiapina, cearense natural de Sobral foi um piedoso fundador de várias Casas de Caridade, dentre elas, particularmente a de Pocinhos, construida no período de 1860 a 1866. Funcionou como orfanato, escola de artes domésticas e educacional. Fato notável foi quando durante a histórica sêca de 1877 centenas de flagelados foram abrigados na Caridade recebendo total assistência sem qualquer ajuda oficial. Atualmente, em suas amplas dependências funciona uma creche.

     
  3. walmir chaves on 25 de abril de 2013 11:05

    Muito interessante este documento. Não tinha conhecimento de que em 1870 já existisse uma Loja Maçônica (Sociedade Filantrópica e hermética) em Campina. "Ganganelli"
    era sobrenome do Papa Clemente, primeiro perseguidor da Maçonaria, por isso o pseudônimo dado a Saldanha Marinho deve ser uma ironia...
    A maçonaria e os Templarios têm suas origens no própio Cristianismo com a finalidade de proteger segrêdos dessa religião que o povo não devia saber! Se tornaram poderosos e ricos e chegaram a chantagear ao vaticano e por isso foram desvinculados da igreija católica e perseguidos até hoje..

     
  4. Anônimo on 26 de abril de 2013 19:37

    Ja em 1817, durante o governo revolucionario, a Maçonaria tramou para nomear Joao Gomes de Almeida para o posto de Coronel de Ordenanças e Jose Nunes Viana para o de Capitao Mor da Vila Nova da Rainha. Naquela ocasiao a Maçonaria e a Igreja estavam do mesmo lado.

    Alberto Cavalcanti

     


Postar um comentário

 
BlogBlogs.Com.Br