Serviço de Utilidade Pública - Lei Municipal nº 5096/2011 de 24 de Novembro de 2011
Criado por Adriano Araújo e Emmanuel Sousa
retalhoscg@hotmail.com

QUAL ASSUNTO VOCÊ ESTÁ PROCURANDO?

Por João Jorge Di Pace Tejo

William Ramos Tejo nasceu em 26 de dezembro de 1919, em São João do Cariri, filho do Juiz de Direito João Jorge Pereira Tejo e da Professora Alice Ramos Tejo. 



William Ramos Tejo nasceu em 26/12/1919, 
Professor, Jornalista e Historiador,
 contribuiu para vários projetos 
educacionais em Campina Grande.
Em São João do Cariri, nasceram os irmãos Doralice Tejo Di Pace, Contadora; Wilson Ramos Tejo, Contador; William Ramos Tejo, Professor e Jornalista e Antônio Ramos Tejo, Engenheiro. Já em Pernambuco nasceram Maria Alice Ramos Tejo, Professora (Taquaritinga do Norte) e, em Belo Jardim, José Carlos Ramos Tejo, Médico; Célia Maria Ramos Tejo, Advogada e Maria do Socorro Ramos Tejo (Suzy), Assistente Social. 

Devido à vida andarilha do seu pai como juiz, William Tejo morou em algumas cidades de Pernambuco. Fez os estudos primários em Belo Jardim e o curso de Admissão ao Ginásio no Colégio Americano Batista, em Recife. Aí, iniciou o curso ginasial, passando-se depois para o Colégio do Dr. Luís Pessoa, em Caruaru, concluindo-o no Pio XI, de Campina Grande. Iniciou os estudos superiores na Universidade Católica de Pernambuco.

Casou-se, em 22/7/1950, com a Professora Maria Clélia Di Pace Tejo e tiveram cinco filhos: Cristina Di Pace Tejo, Engenheira; João Jorge Di Pace Tejo, Médico; Gustavo Adolfo Di Pace Tejo, Meteorologista; Wilma Di Pace Tejo, Universitária (falecida); e William Tejo Filho, Jornalista.

Foi o idealizador do Museu Histórico de Campina Grande que previa criar na cidade um órgão cultural com finalidade de recolher, tombar, classificar, catalogar, conservar, expor e divulgar peças e documentos referentes à Paraíba, especialmente a cidade de Campina Grande.

Fundou os Jornais "A Palavra" em Pernambuco e o "Jornal de Campina. Atuou como Jornalista Político nos jornais Gazeta do Sertão, Diário da Borborema e no Jornal da Paraíba, onde mantinha a coluna dominical "Fragmentos Históricos" no suplemento Painel

Lecionou as disciplinas Matemática e Desenho em vários estabelecimentos de ensino de Campina Grande, como Alfredo Dantas, Pio XI e Estadual da Prata. Foi Professor do Curso de Comunicação Social da UEPB e Diretor dos colégios Estadual da Prata e Anita Cabral, tendo sido também Secretário de Educação e Cultura na Gestão do Prefeito William Arruda.

Foi membro da Academia de Letras de Campina Grande e contribuiu com a História, Educação e com vários projetos culturais de Campina Grande.

Memória Fotográfica:

Aniversário de William Tejo em 26/12/1999,Gustavo Tejo, filho; Cristina Tejo, filha;
 William Tejo, aniversariante; Célia Tejo, irmã e João Jorge Di Pace Tejo, filho.
Carlos Tejo, irmão; Maria Freire Tejo, cunhada; Suzi Tejo, irmã; João Jorge Di Pace Tejo, Filho e
Tita Ramos Belo, prima. Sentado o aniversariante William Tejo . 26/12/1999.

8 comentários

  1. José Tadeu Melo on 27 de dezembro de 2012 08:19

    Reserva moral da vila do Teodósio.

     
  2. Soahd on 27 de dezembro de 2012 08:22

    É um vulto campinense, mesmo sendo do Sj do Cariri, seu trabalho contribui com certeza para consolidar a imprensa campinensee da Paraiba.

     
  3. josué cardoso on 27 de dezembro de 2012 12:14

    Convivi com Tejinho, quando era repórter do Jornal da Paraíba - grande amigo -saudades

     
  4. Anônimo on 27 de dezembro de 2012 20:45

    Grande expressão da cultura campinense.Fui seu aluno na cadeira de desenho no Colegio Alfredo Dantas. E me arrependo por não ter tido maior aproximação com êle, para obter mais e amplos conhecimentos da cultura campinense. Tejo na verdade foi um dos maiores agentes culturais que a nossa cidade teve em toda a sua historia. E faz uma falta enorme.
    Roberto Pereira

     
  5. rômulo azevêdo on 27 de dezembro de 2012 21:35

    Boa lembrança.
    No meu documentário "O patrimônio cultural de Campina Grande"(disponível neste blog)tem um depoimento de Tejo sobre os antigos cinemas de campina: o Capitólio e o Babilônia.

     
  6. Anônimo on 28 de dezembro de 2012 07:58

    Era bem novinho e acompanha suas colunas no Jornal da Paraíba

     
  7. Anônimo on 28 de dezembro de 2012 07:58

    digo "acompanhava"

     
  8. Jorge Ramiro on 1 de janeiro de 2013 15:28

    Lembro meu professor de história. Mario Dasúa Dominguez, pura sabedoria. Passear pelos restaurantes em itu, conversar com ele era ter uma aula de história. Mario, sempre em meu coração.

     


Postar um comentário

 
BlogBlogs.Com.Br