Serviço de Utilidade Pública - Lei Municipal nº 5096/2011 de 24 de Novembro de 2011
Criado por Adriano Araújo e Emmanuel Sousa
retalhoscg@hotmail.com

QUAL ASSUNTO VOCÊ ESTÁ PROCURANDO?

                                                                                                   Por    Mario Carneiro da Costa                  

Não havia no Estado na segunda metade do século XIX, outra  área de maior intelectualidade no interior,  senão em Cajazeiras.  Areia  ainda não havia  recebido o título de cidade  culta e o mais evoluído recanto    cultural   ocorria naquela cidade sertaneja,  onde um filho da então fazenda Serrote, que no futuro seria  aquela próspera cidade, tomou para si a nobre  missão de  alfabetizar  toda  a sua região.  Inácio de Souza Rolim, o Padre Rolim, pessoa  de qualidades e cultura  raras, nas palavras do tribuno Alcides Carneiro  “ensinou a  Paraíba  a ler”. Ali se  desenvolveu o ensino  e, na segunda década  do século passado,  surgiu o colégio que proporcionaria aos jovens de então cursar  o secundário. Estava  assim  a Paraíba servida  por  dois  daqueles  estabelecimentos  e localizados   em pontos opostos : na Capital e no extremo oeste do Estado.

Despontavam como centros  em desenvolvimento as  cidades de Campina Grande e Patos, ambas carentes de instituições de ensino secundários. E foi  daí que na década de trinta passada, foram  plantados naquelas  cidades os embriões do que seriam os  colégios Diocesano  Pio XI e  Colégio Diocesano de Patos.  A qualidade do ensino em ambos,  em pouco tempo, logo se tornou de alto conceito e para eles convergiam  jovens estudantes, deste Estado, do Rio Grande do Norte e de Pernambuco. O corpo docente era composto por professores da melhor estirpe, contando com padres  e mestres outros que tiveram  longa  formação em seminários do nordeste..

Não tardara os colégios que funcionavam em  instalações improvisadas e precárias, buscarem edificações construídas para aquele fim especifico. Foi o caso do Pio XI, que na fase embrionária funcionou em dependências anexas a Matriz da cidade, atual Catedral. E a cada dia aumentava o numero de alunos neste educandário que já funcionava na edificação nova da rua João Pessoa,  com a modalidade de  internato para o sexo masculino, onde o aluno interno não somente burilava a sua formação moral, como  doméstica e social.

Naquele  estabelecimento,  regiamente  instalado em um prédio  com  primeiro andar  e forma de  H  maiúsculo este autor chegara de calças curtas  na década de 40 do século passado e a ele estivera ligado   até  anos  de 1960. O colégio  reservara para o internato o primeiro andar e ali se  localizavam,  refeitório,  cozinha, dormitório, salas de estudo, biblioteca  e alojamento do diretor e auxiliares imediatos. Desativado em 1946, passou a ser  uma espécie de deposito, para onde eram recolhidos bancos, carteiras  e peças outras daquele acervo.   O acesso a  área  ficara   proibido  para   alunos  de  então.

A  essa  altura,  o  Pio XI   tinha por diretor o Padre Emídio  Viana Corrêa, cidadão  enérgico, de semblante fechado e que mantinha  a disciplina no  educandário na mais perfeita ordem. Na intimidade, o que somente  este  autor veio a conviver  já adulto e professor do Colégio,  o  Padre,  como era tratado o diretor, era uma pessoa alegre, risonha, cheio  do  que  se chama  vulgarmente de  “ repentes “, espirituoso, critico, amigo, inteligente, culto e possuidor de invejável coragem pessoal. O professorado de escol era  formado  por pessoas competentes, assíduas  e de postura e procedimentos  dignos  do  mestre  daquela  época.  As salas de aula, mosaicadas, forradas, providas de iluminação  natural,   eram  diária e rigorosamente limpas  por RITA ,  uma  mulher de feição chaboqueira,  velha  e   feia.   Seu  zelo pelo  trabalho  era   revelado pelo visual deixado  nas   dependências que além das salas de aula,  compreendiam  a sala dos professores, o gabinete do diretor e a secretaria, contíguas e  situadas  na  parte de ligação das hastes do H.

O colégio desde cedo primou  pela qualidade do ensino  e para tanto empenhava-se em adquirir tudo   o que se fizesse  necessário  para melhor aprendizagem do aluno.  Daí haver feito aquisição de  alguns instrumentos para ministrar aulas da cadeira  de  Ciências   Físicas   e Naturais. Neste contexto, incluiu um  esqueleto humano de alta  qualidade.  Absolutamente  perfeito,  de  porte  muito  elevado,  era totalmente articulado e um só osso por pequeno que fosse, não faltava.  Um dente sequer deixava de constar  Uma perfeição de peça. Pelas  dimensões ósseas, supunha-se  haver sido de uma pessoa do sexo masculino  o que  jamais foi pesquisado. Era mantido na sala do diretor, em uma estante prismática de quatro faces,  sendo  três  de vidro., com altura  aproximada de dois metros e  as bases quadradas,  de madeira,  com  cinqüenta centímetros de lado.  O conjunto era provido de uma porta na parte da frente, por onde era retirado o esqueleto,  permanentemente pendurado por um gancho     em um suporte na tampa superior.  Daquele local  era  levado  para  a   sala  de  aula.    

José Augusto Ribeiro,  Zezito,  de saudosa memória,  sempre se propunha  trazer  o esqueleto  para  a classe e antes da chegada do professor Almeida, respeitado e competente mestre,  Zezito provocava  risos, colocando um dos braços  sobre a área dos seios e a outra mão  cobrindo a genitália, e  mantinha   com  o esqueleto um monólogo ,quase sempre  hilariante.        
                                                                                                                  
RITA primava pela qualidade de seus serviços. Porém, no que concernia ao  box do esqueleto, muito ficava a desejar   É  que ela mantinha por ele profundo respeito,  grande    medo e “ pela  sua alma, rezava todas as noites”. Quando se aproximava do Box que ela  chamava  de “CAIXÃO DE VRIDO” , fechava  os  olhos, virava-se para ele e buscava espaná-lo  de costas e,   embora a  tarefa fosse  executada  com um  artístico  espanador de penas usado no gabinete do diretor, o serviço ficava a desejar.

Rita contava muitos anos naquela atividade, até que um dia, já de cabelos   brancos, velha e cansada, surgiu no colégio, uma jovem morena clara, bonita e alegre, procurando trabalho. Foi admitida para auxiliar Rita. A recém-chegada, de nome Odete, além do visual bonito, tinha uma voz linda e cantava muito e alto, o que foi proibido nas horas de aula pelo diretor.

Odete não tinha medo do esqueleto e assumiu a função de Rita. Tempos depois,  aquela serviçal  de outrora, se tornaria a esposa do  diretor  que deixara  o clero para  se tornar  seu   marido.  Rita, por sua vez, mudou-se para o outro mundo. O histórico Colégio Pio XI, que tanto distribuiu cultura através dos anos, fechou suas portas,  virou passado e o velho esqueleto  tomou rumo  por este autor desconhecido.  

4 comentários

  1. Anônimo on 10 de dezembro de 2012 08:22

    Na rua João Pessoa? O Pio XI estava na rua Getulio Vargas não é?

     
  2. mario vinicius on 10 de dezembro de 2012 17:49

    A entrada do Pio XI era pela Rua João Pessoa, através de um terreno em que hoje está o prédio da Rádio Caturité. Há uma foto publicada em posts anteriores em que isso é possível de ser constatado,

     
  3. Anônimo on 11 de dezembro de 2012 09:18

    Eu conheci o esqueleto do Pio XI.
    Aliás, o esqueleto(ou caveira, como também era chamado)foi responsavel por eu só passar uma semana estudando no colégio.
    Explico:nos distantes anos da decada de 1950, fui matriculado -juntamente com um irmão-no Pio XI.
    No primeiro dia de aula o padre Emidio nos levou até a sala do esqueleto e disse:"todo menino que se comporta mal aqui na escola, eu trago prá cá prá ficar conversando com o esqueleto!"
    Pronto,depois do aviso do padre a ossada passou a fazer parte dos meus pesadelos de menino.Só pensava na possibilidade de ficar trancado alí "conversando" com o esqueleto.
    Não deu outra, pedimos a mamãe que levasse a gente para outro colégio e na semana seguinte já estavamos matriculados no Alfredo Dantas.Que alivio!

     
  4. Walmir Chaves on 11 de dezembro de 2012 12:39

    Felizmente, você tinha uns pais compreensivos que lhe salvaram de um trauma ou de um sofrimento inecessàrio!

    A "Educação pela Pedra" que reinava em muitos educandários naquela época, e que era aprovada tambem por muitos genitores, em vez de educar, desestabilizou a muitas mentes juvenis!

     


Postar um comentário

 
BlogBlogs.Com.Br