Serviço de Utilidade Pública - Lei Municipal nº 5096/2011 de 24 de Novembro de 2011
Criado por Adriano Araújo e Emmanuel Sousa
retalhoscg@hotmail.com

QUAL ASSUNTO VOCÊ ESTÁ PROCURANDO?

A sociedade campinense ainda lamenta, quase que 60 anos depois, a agonia e morte do eterno Félix Araújo, jovem político de intelectualidade ímpar, promessa certa de grande líderança estadual ao seu tempo, outrossim não fosse acometido pela truculência do seu algoz, João Madeira, no dia 13 de Julho ano de 1953, que lhe atingira com um tiro, pelas costas, levando-o a agonizar por 14 dias até seu óbito, no dia 27 de Julho do mesmo ano, na Casa de Saúde Dr. Francisco Brasileiro.

João Madeira

João Madeira, o autor do delito, era guarda-costas do então prefeito Plinio Lemos. Aliás, após balear Félix, o facínora correu em fuga para se esconder na residência do seu empregador, situada à Rua João da Mata, onde foi preso pela polícia horas mais tarde.

Em vistas do clima de comoção que inundara Campina Grande por conta do, até então, atentado contra Félix, João Madeira foi mantido isolado dos demais presos e removido para o presídio de João Pessoa, sendo trazido eventualmente para Campina Grande para prestar esclarecimentos.

Em um desses dias, foi necessário seu pernoite no Presídio do Monte Santo. O, agora, asssassino de Félix Araújo, foi trucidado na cela da prisão por outros detentos, à noite, no dia 09 de setembro de 1953, tendo sido morto à golpes de facas e cacetes, pelos presos: Luiz Queiroz, José João, José Camelo, Cícero Caetano, Manoel “Doutor”, Severino Branco e “Santo Aguardenteiro”, segundo diz Josué Silvestre em seu livro Lutas de Vida e de Morte.


A foto acima foi extraída do Blog Tataguaçu, da História Queimadense, editado por José Ezequiel Barbosa Lopes, e se trata da reconstituição do assassinato de João Madeira no Presídio do Monte Santo, sendo possível visualizar os protagonistas da morte do algoz de Félix na imagem, sendo o personagem central, vestido de branco, o queimadense José João, alvo da postagem original de Ezequiel em seu blog.

Blog Tataguaçu
http://tataguassu.blogspot.com/2010/04/morte-de-felix-araujo.html

6 comentários

  1. maurício on 17 de janeiro de 2012 08:49

    Este comentário foi removido pelo autor.

     
  2. maurício on 17 de janeiro de 2012 08:52

    Uma pena que a "política pelo sangue" persista nos dias de hoje, não apenas no Brasil, mas no nosso estado, e sendo mais específico ainda, em nossa cidade. Eu era uma criança, no entanto me lembro de todo o caos que circundou nosso município quando o "poeta da bala" Ronaldo Cunha Lima atirou em Tarcísio Burity. Ações como essas são lamentáveis.

     
  3. walmir chaves on 27 de julho de 2013 04:17

    Não conhecia ese fato!!! Nunca pensei que Ronaldo fôsse capaz de uma atrocidade tão irreflexiva como esta!!!

     
  4. Anônimo on 27 de julho de 2013 14:16

    Olá Walmir;

    Você não sabia nada sobre esse atentado?
    Pois é; no dia 5 de novembro de 1993, o então governador da Paraiba em pleno exercício do seu mandato, atirou contra o seu antecessor Tarcisio de Miranda Burity no interior do Restaurante Gulliver em Jão Pessoa. Burity ficou vários dias em coma porém sobreviveu ao atentado.
    Dizem, inclusive, que a que a morte do Burity foi decorrente de sequelas deixadas em função do atentado. Políticos neste país, sem excessão, são meros excrementos.

     
  5. Anônimo on 27 de julho de 2013 21:40

    Muda o cartaz... já foi dito tudo sobre Félix... vamos passar a frente!

     
  6. walmir chaves on 28 de julho de 2013 03:44

    Obrigado Anônimo! Eu acho que deviamos de acabar com a profissão de político. Buscar outro sistema!

    E aquí vem um pedindo para "mudar o cartaz", Será prá que não saibamos mais desse assunto tão sujo? rsrs

     


Postar um comentário

 
BlogBlogs.Com.Br