Serviço de Utilidade Pública - Lei Municipal nº 5096/2011 de 24 de Novembro de 2011
Criado por Adriano Araújo e Emmanuel Sousa
retalhoscg@hotmail.com

QUAL ASSUNTO VOCÊ ESTÁ PROCURANDO?

Fonte: Google Images
Hoje atingimos mais uma marca da gratificante empreitada dos organizadores deste Blog, em promover o resgate da memória da nossa Rainha da Borborema: atingimos 1.000 (mil) postagens!

Isso quer dizer que, mesmo sem o compromisso formal de atualização diária, em dois anos e meio de atividade, superamos a média de uma postagem por dia! O Blog Retalhos Históricos de Campina Grande promoveu a oferta de mil pontos de discussão entre os assíduos frequentadores desse site, como também, aos visitantes eventuais junto a algum assunto modal ou polêmico.

Ao longo desse período, várias postagens nos impulsionou como forma de alavancagem, promovendo o conteúdo do Blog, inclusive, nas mídias jornalísticas locais.

Segundo informações da plataforma Blogger, que hospeda o BlogRHCG, dentre as postagens mais acessadas, destacam-se “Os Borboletas Azuis”, “Reminiscências dos Antigos Carnavais de Campina Grande”, “Raimundo Asfora: Campinense por Adoção e de Coração”, “A Tragédia da Queda do Avião em 1958”, “Mão Branca”, “A Eleição para Prefeito em Campina Grande em 1982”, entre tantas outras que foram amplamente visitadas, lidas e enriquecidas com os valiosos comentários dos nossos Colaboradores da História, parceiros na construção desse projeto de resgate e preservação da História de Campina Grande.

E apesar da marca ser do blog, quem ganha o presente é nosso visitante. Graças aos préstimos do professor Mário Vinícius Carneiro Medeiros a postagem comemorativa de hoje é possível. O autor do livro sobre a história do Treze Futebol Clube entrou em contato com Célia Bitencourt, viúva do cineasta Machado Bitencourt e conseguiu em primeiro lugar, a confirmação da existência de um filme sobre Campina Grande feito em 1975 e por conseqüência a confirmação da existência da Cápsula do Tempo, que foi abordada em postagem anterior e que causou enorme curiosidade no “RHCG” e que pode ser relembrada, clicando-se AQUI. Em segundo lugar, conseguimos através do professor Mário, o vídeo deste documentário (JUSTAMENTE O FILME DA CÁPSULA), cujo material pode ser definido em apenas uma palavra: FANTÁSTICO. Vejam a riqueza deste vídeo clicando-se no link a seguir:



Detalhes (www.cinemateca.com.br):

CRÔNICA DE CAMPINA GRANDE
Categorias
Curta-metragem / Sonoro / Não ficção
Material original
16mm, COR, 17min, 187m, 24q
Data e local de produção
Ano: 1975
País: BR
Cidade: Campina Grande
Estado: PB
Sinopse
    "Filme realizado com o objetivo principal de ser guardado em uma urna especial no interior do grande monumento aos índios Arius, erguido em 1975, para comemorar mais um aniversário de fundação da cidade. Resguarda um caráter eminentemente otimista apresentando tudo sobre e da cidade Campina Grande: ruas, praças, personalidades, suas riquezas, sua cultura, sua história".

Gênero
    Documentário
Dados de produção
Companhia(s) produtora(s): Cinética Filmes Ltda.; Prefeitura Municipal de Campina Grande
Produção: Bitencourt, Machado
Direção: Bitencourt, Machado
Direção de fotografia: Bitencourt, Machado

Machado Bitencourt também foi o autor de outro documentário sobre Campina Grande, intitulado “Da Prensa de Algodão, Da Prensa de Gutemberg”. Este material, uma verdadeira raridade, retrata um pouco da história do jornalismo campinense, inclusive com imagens históricas da TV Borborema nos anos 70, com Geraldo Batista apresentando um jornal. Cliquem abaixo:



Detalhes (www.cinemateca.com.br):

CAMPINA GRANDE, DA PRENSA DE ALGODÃO, DA PRENSA DE GUTEMBERG - (1975)
Categorias
Curta-metragem / Sonoro / Não ficção
Material original
16 mm, BP, 17min, 187m, 24q
Data e local de produção
Ano: 1975
País: BR
Cidade: Campina Grande
Estado: PB
Sinopse: "Filme memorialista que transcreve em todos os momentos uma tentativa para explicar o porquê das coisas ocorrerem em Campina Grande. Explica o papel de diversos de seus filhos na evolução social, econômica, comercial e cultural". (ECJP/SMB)
    "Uma tentativa de explicar o porquê das coisas ocorrerem em Campina Grande. Explica o papel de diversos de seus filhos na evolução social, econômica e comercial. Trabalhando com fotos antigas e utilizando música folclórica, Machado procura reconstruir a ligação e os primeiros jornais, que determinaram o papel de mando naquela próspera comunidade. Falando em tom nostálgico desses primeiros jornais, como 'O Jornal da Paraíba' e 'O Rebate', lembra que, embora a cidade seja um centro universitário e conte com cerca de 300 mil habitantes, apenas três ou quatro mil pessoas lêem jornais. Mesmo assim, com esse antagonismo entre o progresso e a força do jornal, o filme procura destacar a ação construtiva, valorizada, das rádios e TV na formação da própria cidade. Detém-se longamente na evolução do comércio campinense, com a implantação de bancos de caráter familiar (...). Acompanha a ação de líderes políticos, de Félix Araújo a Newton Rique, Argemiro de Figueiredo, Severino Cabral, Ronaldo Cunha Lima, para só se falar nos que surgiram após a Revolução de 30. (...) Cidade caldeada culturalmente, com incrível espírito criador, Campina Grande é, na visão desse documentário, um cidade em transe, isto é, em busca de um novo tempo. E é essa Campina Grande descaracterizada, sem mais as glórias do tempo da prensa do algodão, mas já com jornais em off-set, com estações de rádio e TV".

Prêmios
Prêmio de Seleção Embrafilme INC, 1975.
  
Dados de produção
Companhia(s) produtora(s): Cinética Filmes Ltda.
Produção: Bitencourt, Machado
Direção: Bitencourt, Machado
Direção de fotografia: Bitencourt, Machado
Identidades/elenco:
Araujo, Felix
Rique, Newton
Figueiredo, Argemiro de
Cabral, Severino
Lima, Ronaldo Cunha

Estes dois vídeos fazem parte de uma coletânea sobre o cinema de Machado Bitencourt, o criador da Cinética Vídeos. Para os que amam Campina Grande É OBRIGATÓRIO a aquisição deste DVD, através da viúva de Machado, Célia, que trabalha no Espaço Cultural em João Pessoa-PB. O preço do DVD: 20 reais.

Este DVD foi realizado pela Eliro Produções, com patrocínio do Programa BNB de Cultura Edição 2010 / Parceria BNDES /Governo Federal, com apoio da ABD/PB.

***

Conteúdo do DVD O Cinema de Machado Bitencourt

Disco 1


1-      Maria Coragem (Ficção, 42 min, 1977)

Primeiro filme longa-metragem de Machado Bitencourt. A história escrita por ele baseia-se numa ocorrência jornalística verificada num sítio perto da cidade de Remígio-PB. Uma moça havia atirado no pai, em defesa de seu namorado amante. Esse incidente serviu de fio da meada para o argumento de Maria Coragem.

2-      O Caso de Carlota (Ficção, 51 min, 1981)

A história sugerida para filmagem foi o famoso “caso” de Carlota Lúcia de Brito, ocorrido em Areia-PB, no século XIX. Uma espécie de fusão entre jornalismo e ficção, com muitas informações históricas baseadas nos autos do processo da Comarca de Areia e nas visões apresentadas por José Américo de Almeida e Horácio de Almeida em seus livros.

Extras

    Cronologia de Vida e Obra Machado Bitencourt

2.      Depoimento Machado Bitencourt (26min, 1996)

Importante depoimento do cineasta em que ele demonstra sua preocupação com a preservação do acervo e lamenta a desatenção das autoridades com a produção cinematográfica no país e, especialmente na Paraíba.

    O Fio da Memória (DV, 10min, 2008)

Documentário sobre o acervo Machado Bitencourt, realizado em 2008 por Gian Orsini e Lúcio Vilar para integrar as homenagens ao cineasta no IV Festival Aruanda do Audiovisual Universitário Brasileiro. O vídeo traz depoimento da viúva Célia Bitencourt denunciando o estado de abandono no qual se encontra o acervo, quase dez anos após a morte do cineasta.

Disco 2

1 – Crônica de Campina Grande (Doc, 17 min, 1975)

Filme realizado com o objetivo principal de ser guardado em uma urna especial no interior do grande monumento aos índios Arius, erguido em 1975, para comemorar mais um aniversário de fundação da cidade de Campina Grande. Resguarda um caráter eminentemente otimista apresentando tudo sobre e da cidade.

2 – O Último Coronel (Doc, 9min, 1975)

No engenho “Mundo Novo” no município de Areia, na Paraíba, reside José da Cunha Lima, o último dos grandes coronéis vivos do Nordeste. Ganhador do Prêmio Cinemateca do MAM – Rio de Janeiro, na IV Jornada Brasileira de Curta-metragem, o filme mostra o ambiente do ocaso desse coronelato após percorrer “vales e aguadas” da região do Brejo historiando o ciclo econômico da cana-de-açúcar, na Paraíba.

3 – Campina Grande, Da Prensa de Algodão e da Prensa de Gutemberg (Doc, 17min, 1975)

Filme memorialista que transcreve uma tentativa para explicar o porquê das coisas ocorrerem em Campina Grande. Explica o papel de diversos de seus filhos na evolução social, econômica e cultural. Prêmio de seleção Embrafilme INC, esse filme, juntamente com “Crônica de Campina Grande” e “O Último Coronel”, foi um dos que abriram caminho para a produção das primeiras obras da Cinética.

4 – Festas Juninas (Doc, 5min, 1980)

Uma das mais tradicionais festas populares do Nordeste Brasileiro sob a ótica do cineasta Machado Bitencourt. Com a participação dos alunos do curso de Comunicação Social da Urne, o filme flagra uma festa junina realizada num arraial montado num clube recreativo. Um trabalho de caráter informativo e didático.

5 – Com a Palavra, a Mulher (Doc, 7min, cor, 1980)

Um grupo de universitárias responde livremente a questões formuladas em pesquisa. A interpretação das respostas é feita em imagens filmadas, de acordo com a “maioria” das opiniões sobre casamento, a liberdade e comportamento do homem. O filme foi realizado como “laboratório profissionalizante” para alunos de Cinema da Universidade Federal do Nordeste.

6 – O Sol de um Novo Dia (Doc, 22min, 1986)

Média-metragem, O Sol de Um Novo Dia foi realizado sob encomenda de uma agência de publicidade para propaganda do candidato Wilson Braga. A despeito de seus objetivos políticos imediatos, o filme revela a densidade e o esmero do documentarista.

7 – Águas do São Francisco (Doc, 10min, 1993)

Último dos filmes da Cinética. Um documentário sobre a transposição das águas do São Francisco, sob a encomenda da Fundação Tancredo Neves. Obra de grande importância, enquanto registro do monumental projeto que tem gerado polêmica nos bastidores da política e da administração brasileira, em especial nos estados nordestinos.

8 – Getsemani (Fic, 16min, 1995)

Uma homenagem metalingüística ao cinema no seu centenário. Com o título em português de Aconteceu em Aurora, o vídeo esboça a trajetória de um pistonista influenciado pela emoção de ter visto o filme Luzes da Ribalta (Chaplin) bem como da paixão pela atriz principal. Foi apresentado no The Cine Video Continous Festival of Burbank, Califórnia, em janeiro de 1996

Extras

1 – A Festa do Rosário de Pombal (Doc, 23min, P&B, 1978)

Filme de Jurandir Moura, com montagem de Machado Bitencourt, registra a tradicional Festa do Rosário de Pombal, epicentro de inúmeras manifestações da cultura popular no Sertão Paraibano. Foi realizado por encomenda para o Museu da Imagem e do Som da Universidade Federal da Paraíba.

2– A Incrível República do Povo da Silva (Doc, 8min, 1993)

Obra propagandista sobre a cidade de Santa Rita, na região metropolitana de João Pessoa, feita sob encomenda para campanha do então candidato a deputado Estadual Marcos Odilon Ribeiro Coutinho, abordando sua administração à frente da Prefeitura Municipal.  -

Ficha Técnica

Coordenação Geral:

Elinaldo Rodrigues
Alessandra Fontes

Supervisão:

Célia Bitencourt

Restauração Mecânica e Telecinagem 16 mm:

João Carlos Beltrão
Pigmento Cinematográfico

Finalização e Autoração:

Thiago Marques

Design gráfico:

Alessandra Fontes

Textos:

Elinaldo Rodrigues

Fotos:

Acervo Machado Bitencourt

Agradecimentos:

ABD-PB
Acauã Produções Culturais
Águia Mendes
Aliança Francesa de João Pessoa – PB
Álvaro Fernandes
André da Costa Pinto
Bruno de Sales
Filippe Denis Langbehn Pinto
Ely Marques
Emmanuel Abrantes Sarmento
J. França
Laércio Ferreira Filho
Liuba de Medeiros
Mikael de la Fuente
Pigmento Cinematográfico
Robsandra Abintes
Sesc Centro de Campina Grande – PB

Realização:

Eliro Produções

Patrocínio:

Programa BNB de Cultura Edição 2010 / Parceria BNDES / Governo Federal

Apoio:
ABD-PB

Eliro Produções
55 83 9950-3271 (TIM)
55 83 8713-1956 (OI)

***

Para saber mais sobre Machado Bittencourt, cliquem AQUI, AQUI e AQUI. E agradecemos a todos os que cederam materiais para estes 1000 posts e para todos os que divulgaram e acessaram desde 2009 o “Retalhos Históricos de Campina Grande”.


Fontes Utilizadas:

www.cinemateca.com.br
www.janelacultural.com/

30 comentários

  1. RHCG on 20 de janeiro de 2012 11:37

    Mais um mistério resolvido: PROVADO, existe um cápsula do tempo no Parque Evaldo Cruz.

     
  2. Azevedo on 20 de janeiro de 2012 13:27

    Parabéns ao blog pelos 1000 posts e principalmente ao professor Mario Vinicius por sempre conseguir raridades para o "RHCG".

     
  3. BLOG DE QUEIMADAS on 20 de janeiro de 2012 14:12

    1000 posts, que marca. Parabéns! O RHGC foi um presente para todo mundo que gosta dessas reminiscências. Parabéns de novo. Tenho orgulho de ser um seguidor desse BLOG que, com certeza, fez muitos adeptos Paraíba afora.

     
  4. Adriano on 20 de janeiro de 2012 14:37

    Detalhe para o minuto 14:10 quando aparece Geraldo Batista na TV Borborema (segundo vídeo).

     
  5. Museu Virtual do Esporte de Campina Grande on 20 de janeiro de 2012 16:56

    Eu só queria compartilhar com vocês a minha alegria em fazer o Literalmente Falando. Nada disso valeria a pena se eu não abrisse minha caixa de e-mails e encontrasse recados carinhosos de leitores, elogiando o blog, elogiando algumas postagens minhas, pedindo outras e muito mais. Ou se, ao chegar em um evento, não viesse ninguém até mim e falasse o quanto gosta do blog. Ou outras coisas pequenas, mas que me deixam tão feliz que vocês mal fazem ideia!
    Por isso, quero agradecer a cada um que me acompanhou, leu todas as besteiras que eu disse e pretende continuar me acompanhando nos próximos 2000
    Abraços e feliz conquista
    Jobedis Magno de Brito Neves

     
  6. Paulo Gomes on 20 de janeiro de 2012 17:33

    Não sei o que dizer. Esta é verdadeiramente uma cápsula do tempo. Me transportei àquela época. Época de Ouro,época triste, época melancólica, enfim nossa época. Me senti caminhando pela Maciel Pinheiro, me senti visitando e museu de artes, me senti vendo Portinari, Pedro Américo, Tarsila. Me senti assistindo os grandes comícios políticos da época, voltei a ser aluno do Senai, vi mais uma vez a Rede Tupi, me senti Paraibano, me senti filho desta terra, que mesmo depois da morte física desta inemre carcaça, jamais esquecerei que tive este privilégio. Obrigado meu Deus por ter me dado esta oportunidade de fazer parte desta gente sofrida, esquecida, menosprezada e tantas outras outras coisas que só nos faz ter mais orgulho de a ela pertencer. Respeitosa e humildemente, meu muito obrigado e me desculpem.

     
  7. Paulo Gomes on 20 de janeiro de 2012 17:41

    Se meus pobres e surrados neurônios não me enganam, creio que também existe uma cápsula similar, acredito que seja no Rio de Janeiro, preparada pela extinta TV Tupi, mostrando a vida tal como era na década de 70 (se novamente não sou enganado pelas lembranças, isto se deu por volta de 1972,logo após a inauguração da tv em cores no Brasil e seria aberta em 2000,mas acho que esqueceram). Sei que não se trata de assunto diretamente ligado à história campinense, mas achei que devia registrar. Revistas,Jornais, Discos de Vinil, Roupas da Moda, e outras coisas estavam nessa cápsula.

     
  8. Ludy on 20 de janeiro de 2012 21:48

    Parabéns ao blog por este trabalho maravilhoso! Sou fã de carteirinha. É aqui que aprendo todo dia um pouco mais da minha querida cidade e volto ao tempo de minha infância e um pouco de minha adolescência. Parabéns, Parabéns aos ilustres criadores e colaboradores. Por mais que queira não consigo exprimir com palavras o meu agradecimento. Só sei dizer OBRIGADÃO!

    Com certeza as postagens continuaram a aumentar cada dia mais.

     
  9. Anônimo on 20 de janeiro de 2012 21:55

    Mil postagens em dois anos? Parabéns!
    E como diz aquela canção de Raul Seixas: " a gente ainda nem começou!".

     
  10. maniaco_da_camera on 20 de janeiro de 2012 22:13

    P*** Q** PA**U mil postagens conseguidas com chave de ouro não de diamante não não da pra descrever tamanha riqueza é incalculavél campina realmente é e sempre foi uma cidade futurista meu Deus eu agradeço sempre de ter nascido aqui quando se tem mais de 30 quenem eu percebemos como a cidade evolui a passos largos com relaçao a sua historia

     
  11. Wellington Medeiros on 20 de janeiro de 2012 23:59

    Meu DEUS. No momento não estou em condições de fazer qualquer comentário, pois ainda estou extasiado com os dois vídeos que acabei de assistir. Inclusive reconhecí pessoas anônimas nestes vídeos. Parabéns aos idealizadores do blog e ao amigo Mário também membro da comunidade CAMPINA GRANDE VELHA GUARDA no orkut. Se estes vídeos estão à disposição em CD em João Pessoa, vou ligar amanhã mesmo pra minha irmã lá em JP pra adquirir pra mim. Isto é uma relíquia, e eu quero isto. Parabéns RETALHOS HISTÓRICOS DE CAMPINA GRANDE.

     
  12. RHCG on 21 de janeiro de 2012 08:37

    Wellington procure a senhora Célia no Espaço Cultural, ela trabalha na Biblioteca e é viúva deste homem que merece todas as homenagens do campinense: Machado Bitencourt.

    Inclusive o acervo de Machado está precisando de revitalização. Quem sabe a UEPB não poderia adquiri-lo?

     
  13. http://twitter.com/#!/Felix_Araujo on 21 de janeiro de 2012 08:40

    Maravilha! Parabéns à equipe do #cgretalhos

     
  14. http://twitter.com/#!/olimpiomr on 21 de janeiro de 2012 08:41

    Parabéns aos responsáveis, está simplesmente espetacular a postagem número 1000, do Blogue "Retalhos Históricos de CG":

     
  15. http://twitter.com/#!/TiagoMelo32 on 21 de janeiro de 2012 08:41

    Ótimo documentário sobre Campina Grande no ano e 1974/75.

     
  16. http://twitter.com/#!/TrigueiroJr on 21 de janeiro de 2012 08:42

    fiquei todo arrepiado com video. PHODA!!! RT

     
  17. http://twitter.com/#!/allan__queiroz on 21 de janeiro de 2012 08:42

    Vale a pena conferir estes documentários que abordam a história de Campina

     
  18. Bruno Maciel on 21 de janeiro de 2012 12:57

    Já sou fã do "Retalhos Históricos de Campina Grande" a algum tempo! nesse espaço aprendo, me alegro, me surpreendo e e me emociono em torno daquilo que une os milheres de visitantes do blog: A Rainha da Borborema! Saúdo a todos os que fazem o blog, pelos 1000 posts! Aguardamos outros milhares e espero um dia está compartilhando e colaborando com a página. Abraços!

     
  19. Leda on 21 de janeiro de 2012 16:32

    Parabénssssssssssss

     
  20. Ana Santino on 21 de janeiro de 2012 19:46

    Parabens pela iniciativa dos realizadores do blog, em especial na postagem acima, ao professor Mário Vinícius pela grande contribuição. Espero que continuem esse maravilhoso trabalho por muito tempo.

     
  21. Soahd on 22 de janeiro de 2012 16:41

    PERFEITO, a comemoraçao foi com um presente para seus frequentadores...uma reliquia sem duvidas, e merecem voces pensarem na possibilidade de escrever um livro, estamos com um material invejável sobre CG....

     
  22. Jefferson Ranyeri on 23 de janeiro de 2012 07:35

    Campina é Grande por natureza propria

     
  23. Marcus Nogueira on 23 de janeiro de 2012 22:09

    Excelente os videos!!
    Amo muito essa cidade!

     
  24. Jônatas Rodrigues Pereira on 26 de janeiro de 2012 09:22

    Maravilhoso este documentário. Parabéns pela excelente postagem.

     
  25. rômulo azevêdo on 31 de janeiro de 2012 23:32

    No segundo documentário, "Da prensa do algodão...", além da imagem de Geraldo Batista apresentando o telejornal "Rede Tupi de Noticias", temos nos bastidores da tv a figura do saudoso Stênio Mozart que era contato comercial da emissora.
    Na parte que fala sobre o rádio, aparece um take(além da voz)de Joselito Lucena narrando um jogo no Presidente Vargas.
    Detalhe: observaram a antiga máquina de video tape da tv?(na cena a máquina é operada pelo veterano técnico, Edilson)
    Era uma Ampex com fitas em rolo de uma polegada.
    Uma verdadeira peça de museu.

     
  26. Ewerton on 6 de junho de 2012 08:06

    Excepcional Registro Histórico! Raízes e Valores! A cápsula do tempo presente no marco zero da cidade (obelisco do açude novo) pelo visto foi aberta ao público. Salve Jóia da Borborema!

     
  27. Videoteca on 6 de junho de 2012 08:06

    Campina Grande por natureza... terra de gente hospitaleira, de toda a tradição cultural do Maior São João do Mundo, do único Hexa-campeão paraibano, de tantas coisas boas!

     
  28. Jefferson Ranyere on 6 de junho de 2012 08:07

    Campina é Grande por natureza propria

     
  29. Durval Reinaldo on 6 de junho de 2012 08:07

    Que coisa mais linda, a história da minha cidade querida...

     
  30. BrazTJG on 6 de junho de 2012 08:08

    show

     


Postar um comentário

 
BlogBlogs.Com.Br