Serviço de Utilidade Pública - Lei Municipal nº 5096/2011 de 24 de Novembro de 2011
Criado por Adriano Araújo e Emmanuel Sousa
retalhoscg@hotmail.com

QUAL ASSUNTO VOCÊ ESTÁ PROCURANDO?

Por Equipe RHCG

O Galo da Borborema tem uma bonita história na Copa do Brasil, competição criada pela CBF no ano de 1989, como forma de compensar aqueles Estados do Brasil que não tinham mais equipes disputando o Campeonato Nacional da Primeira Divisão. Esta “reorganização” do futebol brasileiro ocorreu a partir de 1987, com a polêmica Copa União e equipes como o Treze e outras do seu nível, ficaram sem ter a opção de ter os grandes clubes do futebol brasileiro disputando partidas em seus domínios. Foi uma espécie de “cala-boca” da entidade máxima de nosso futebol, pois agremiações como o Treze, por exemplo, foram rebaixadas de divisão na “marra”. Ora, se a CBF reconheceu o Sport Recife como campeão nacional de 1987, o Treze que fez boa campanha e participou do grupo do Sport naquele campeonato, teria direito a participar do Brasileiro da Primeira Divisão de 1988, que contou com 24 equipes. Talvez nossos leitores não entendam o que estamos tentando discorrer, por isso no futuro iremos debater um pouco mais sobre essa polêmica, já que o assunto do post de hoje será a participação do Treze na Copa do Brasil.

O Galo da Borborema é a única equipe paraibana que tem história de fato na Copa do Brasil. Tudo começou no ano de 1990, após a inesquecível conquista do Paraibano de 1989.  A equipe que enfrentaria os alvinegros do bairro de São José, seria o Náutico de Recife. Resultado: desclassificação. Em 1990, o Treze iniciaria uma das maiores fases negras de sua história, que duraria praticamente toda a década de 90, a qual, os trezeanos mais antigos e fanáticos, classificaram de a “década perdida”, pois o Treze não conquistaria nenhum campeonato de expressão no período.

FICHAS TÉCNICAS DE 1990:

19/6/1990 21:00

Público: 1,436 Renda: 97,650.00 J: Josival Pedro do Nascimento
E:Amigão - Gov.Ernani Sátiro,Campina Grande-PB
Treze-PB 0 Náutico-PE 1
Treze-PB

Ednaldo; Lelo, Lima, De León, Edílson; Farias, Valdemir (Rone 01/2), Demair, Bosco; Aluisio (Dario 02/2), Gabriel. Técnico: Natal Carvalho Baroni
Náutico-PE
Celso; Freitas, Levi, Barros, Rivaldo; Aroldo, Lau (Possi[1] 20/2), Léo, Ademir Müller; Bizu, Ocimar (Róbson[1] 01/2). Técnico: Otacílio Gonçalves
Cartões Amarelos: Levi, Barros
Gols: Bizu 41/1T

27/6/1990 21:00
Público:
1,502 Renda: 199,740.00 J: Antonio de Pádua Siqueira
E:Aflitos,Recife-PE
Náutico-PE 2 Treze-PB 0
Náutico-PE

Cláudio; Freitas, Levi, Barros (Lúcio Surubim), Célio Gaúcho; Aroldo, Léo ---, Lau (Rogério), Ademir Müller; Bizu, Ocimar. Técnico: Otacílio Gonçalves
Treze-PB
Adaílton; Lelo, Lima, De León (Édson Araújo[1]), Edílson; Farias, Bosco, Demair, Valdemir; Aluisio (Dario[2]), Gabriel. Técnico: Natal Carvalho Baroni
Cartões Amarelos: Lima, Gabriel, Dario
Cartões Vermelhos: Lelo
Gols: Ocimar 28/1T, Bizu 41/2T

Durante oito temporadas o Galo ficaria afastado da Copa do Brasil, voltando apenas em 1999, quando enfrentaria o Santa Cruz de Recife. A equipe coral pernambucana fez grande investimento, contratando craques como Mancuso e Paulinho McLaren para sua equipe. No primeiro jogo venceram o Treze no Amigão por 3 a 2. Após este resultado, demonstrando grande arrogância, os dirigentes do Santa  chegaram a encomendar os ingressos para a fase seguinte, contra o Corinthians Paulista. Esqueceram de avisar a Batista e Valério, atletas do Galo naquele campeonato. Em pleno “Mundão do Arruda”, o Treze conseguiu uma de suas vitórias mais emblemáticas, ao eliminar o Santa Cruz por 4 a 2. Quem iria mandar confeccionar os ingressos agora eram os dirigentes alvinegros.


Uma grande festa estava reservada para o jogo contra o Corinthians. Na época o Amigão estava sem refletores e o jogo teve de ser disputado à tarde. Porém, o amigão estava superlotado e o que é mais importante, a torcida do Galo em que pese a grande massa corintiana em todo o Brasil, era a maioria no campo. Resultado: 2 a 2. E o Galo iria para  “Sumpaulo”...

No Pacaembu todos esperavam grande goleada corintiana. E não era nada incomum: Marcelinho Paulista, Vampeta, Rincón, Edílson, Gamarra e outros, o time do Corinthians era uma verdadeira Seleção. No primeiro tempo, o Treze jogando muito bem e tendo o goleiro Felinho fechando tudo, fez 2x0. Incrível, toda Campina estava parada com a então façanha do Treze. O Corinthians empatou no segundo tempo. Ao final da partida, aconteceu o fato determinante do jogo, o Galo faria mais um gol, legítimo, que seria equivocadamente anulado pelo árbitro. É certo que também foi anulado um gol legítimo do Corinthians, todavia, se o jogo tivesse terminado 3 a 3, pelo regulamento da Copa do Brasil, o Treze teria eliminado o Corinthians em 1999. Nos pênaltis, o Treze seria eliminado. Que pena...


FICHAS TÉCNICAS DE 1999:

24/2/1999 15:15
Público:
6,925 Renda: 26,535.00 J: Alvaro Azaredo Quelhas-RJ
E:Amigão - Gov.Ernani Sátiro,Campina Grande-PB
Treze-PB 2 Santa Cruz-PE 3
Treze-PB

Felinho; Bau (Dijaílson 22/2), Amaral, Israel, Vado; Batista, Anderson, Walnez (Kelson 39/2); Paulinho Andrade, Zé Galego (Edinho 30/2), Valério. Técnico: Nereu Pinheiro
Santa Cruz-PE
Marcelo; Wellington, Eleomar, César, Marcos Adriano; Mancuso, Marcelinho (Biliu[5] 28/2), Toninho, Luiz Carlos; Célio (Gílson[1] 36/2), Paulinho Mclaren (Formiga[1] 16/2). Técnico: Givanildo de Oliveira
Gols: Zé Galego e Paulinho Andrade (Treze); Toninho (2) e Formiga (Santa Cruz)

10/3/1999 20:30
Público:
12,267 Renda: 42,681.00 J: Lourival Dias Lima Filho-BA
E:Arruda - José do Rego Maciel,Recife-PE
Santa Cruz-PE 2 Treze-PB 4
Santa Cruz-PE

Marcelo; Wellington, Eleomar, Almandoz, Marcos Adriano; Mancuso, Marcelinho (Gílson 15/2), Toninho (Biliu 02/2), Luiz Carlos; Paulinho Mclaren (Ronaldo 01/2), Célio. Técnico: Marcos Aurélio Barros Soares
Treze-PB
Felinho; Bau, Amaral, Augusto, Batista; Vado, Walnez (Evannio[1] 40/2), Paulinho Paraíba, Anderson; Zé Galego (Wendell[1] 44/2), Valério. Técnico: Nereu Pinheiro
Cartões Amarelos: Amaral, Anderson, Zé Galego
Gols: Toninho 11/1T, Valério 29/1T, Valério 43/1T, Zé Galego 17/2T, Ronaldo 25/2T, Batista 35/2T

19/3/1999 15:15
Público:
22,882 Renda: 160,385.00 J: Jamir Carlos Garcez-DF
E:Amigão - Gov.Ernani Sátiro,Campina Grande-PB
Treze-PB 2 Corinthians-SP 2
Treze-PB

Felinho; Bau, Amaral, Israel, Batista; Anderson, Vado, Walnez (Wendell 32/2), Paulinho Paraíba; Zé Galego (Evannio 33/2), Valério. Técnico: Nereu Pinheiro
Corinthians-SP
Maurício; Rodrigo, Cris, Márcio Costa, Kléber; Vampeta (Pingo[1] 34/2), Amaral, Ricardinho (Mirandinha[13] 01/2), Marcelinho Carioca; Fernando Baiano, Edílson (Edu[2] 36/2). Técnico: Evaristo de Macedo
Cartões Amarelos: Cris, Amaral
Gols: Anderson 27/1T, Rodrigo 34/1T, Fernando Baiano 23/2T, Wendell 35/2T

1/4/1999 20:30
Público:
10,162 Renda: 0.00 J: Valdomiro Matias Silva Filho-PE
E:Pacaembu,São Paulo-SP
Corinthians-SP 2 Treze-PB 2
Corinthians-SP

Nei; Rodrigo (Dinei 01/2), Cris, Gamarra, Silvinho; Vampeta, Rincón, Ricardinho (Amaral 02/2), Marcelinho Carioca; Edílson, Mirandinha (Éwerthon 41/2). Técnico: Evaristo de Macedo
Treze-PB
Felinho; Bau, Amaral, Augusto, Batista; Vado, Anderson (Walnez[4] 31/2), Israel, Paulinho Paraíba (Adriano[1] 30/2); Valério, Zé Galego ---44/2. Técnico: Nereu Pinheiro
Cartões Amarelos: Felinho, Bau, Israel
Gols: Anderson 22/1T, Anderson 26/1T, Vampeta 24/2T, Marcelinho Carioca 26/2T

No ano de 2000, o Treze voltaria a participar da Copa do Brasil. O adversário agora seria o ABC de Natal. Convém lembrar que a grande meta do Galo em 2000 era conquistar o Campeonato Paraibano, fato distante desde 1989. Assim sendo, o Galo estranhamente utilizou o Estádio Presidente Vargas para o primeiro jogo. Perdeu a partida por 1 a 0. Talvez daí começou a lenda de o Treze não jogar bem em seu próprio Estádio. Na volta, jogando em Natal, o Treze chegou a fazer 1 a 0, mas o árbitro da partida foi decisivo no resultado e o ABC virou para 2 a 1.


FICHAS TÉCNICAS DE 2000:

15/3/2000 20:30

Público: 0 Renda: 0.00 J: Albino de Andrade Alberto Júnior-PE
E:Pres.Vargas,Campina Grande-PB
Treze-PB 0 ABC-RN 1
Treze-PB

Isaías, Henrique, Moura, Ronaldo, Neto (Miguel 29/2), Júlio César (Luciano 06/2), Aldo, Zé Galego, Mauro, Marcos Piauí (Iêdo 05/2), Rincón. Técnico: Pedro Albuquerque
ABC-RN
Schumacher, Moisés, Róbson, Mário César, Teci, Michell, Humberto, Saulo, Márcio Cardoso (Carlinhos[1] 30/2), Leonardo (Eron[1] 39/2), Joãozinho (Marquinhos[1] 17/2). Técnico: Didi Duarte
Cartões Amarelos: Schumacher, Róbson, Teci, Humberto, Joãozinho
Gols: Márcio Cardoso 09/2T

23/3/2000 20:30
Público:
0 Renda: 0.00 J: Marcos Antônio Silva Sampaio-CE
E:Machadão,Natal-RN
ABC-RN 2 Treze-PB 1
ABC-RN

Schumacher, Moisés, Róbson, Mário César, Carlinhos (Eron 32/2), Michell, Humberto, Saulo, Márcio Cardoso, Leonardo, Joãozinho (Erivan 43/2). Técnico: Didi Duarte
Treze-PB
Isaías, Henrique, Moura, Márcio Tuchê, Neto, Luciano (Marcos Piauí[2] 18/2), Aldo; Mauro (Alex[1] 32/2); Duda, Iêdo ---42/2; Rincón. Técnico: Pedro Albuquerque
Cartões Amarelos: Luciano
Cartões Vermelhos: Moura 12/2, Aldo 44/2
Gols: Iêdo 17/2T, Leonardo 37/2T (pen), Márcio Tuchê 39/2T (contra)



1 Comment

  1. Rau Ferreira on 16 de fevereiro de 2011 09:56

    Caros amigos do RHCG,
    Adriano e Emmanuel;



    Esta foi a mais completa reportagem esportiva que tive oportunidade de ver; vocês deram um show de bola! Está incrível. E olhe que sou rapozeiro...


    Campina deve sentir-se honrada com a brilhante contribuição do RHCG

     


Postar um comentário

 
BlogBlogs.Com.Br