Serviço de Utilidade Pública - Lei Municipal nº 5096/2011 de 24 de Novembro de 2011
Criado por Adriano Araújo e Emmanuel Sousa
retalhoscg@hotmail.com

QUAL ASSUNTO VOCÊ ESTÁ PROCURANDO?



Eis que conseguimos!

Um dos grandes tesouros buscados pelo Blog Retalhos Históricos de Campina Grande nos chegou pelas mãos do DJ Fábio Ajax, que nos enviou um episódio da série radiofônica mais lembrada pela 'Geração 80'. 

O episódio 'O Necrófago' narra um fato ocorrido na século XIX quando um fazendeiro da cidade de Serra Branca castiga um dos seus escravos por roubo, matando-o de uma forma extremamente cruel, também penalizando toda a sua família, condenando-os a morrer queimados em sua própria casa.

Em meio ao sofrimento agonizante da morte iminente, a esposa do escravo anteriormente morto joga-lhe uma maldição e o que acontece depois é motivo mais que suficiente para escutar e lembrar Evandro Barros na produção e apresentação da série "Contos que a Noite Conta", tradicionalmente exibida no fim da programação noturna, pela Rádio Borborema na Década de 80.

Para os que viveram esta época de noites de suspense nas ondas da Rádio Borborema, cliquem abaixo para ouvir o episódio "O Necrófago", dirigido por Evandro Barros, com participação de: Evandro Barros, Eliane Barros, Paulo Bertrandt, Adgelson Cavalcanti, com Narração de Evilásio Junqueira e Efeitos Técnicos de Guilherme Diniz.



EVANDRO BARROS
(Texto extraído de http://teatroseverinocabral.art.br/?p=9090)

Escritor e jornalista, Evandro Barros nasceu no dia 21 de agosto de 1938, na cidade de São João do Cariri. Está, entre tantos outros nomes, inserido no palco dos que contribuíram para a história de Campina Grande. O teatrólogo, ícone cultural, ficou marcado pela sua voz e personalidade. 

Devido a sua dedicação ao rádio e ao teatro, automaticamente entrou na área da telecomunicação. Aos 18 anos escreveu a obra “Libertação”, que nunca foi ao palco por resistência da sociedade da época. 

A habilidade teatral de Evandro não consistia em apenas escrever e dirigir peças, mas também de interpretá-las. Evandro é lembrado por amigos por sua participação na peça do saudoso Hermano José “A Justiça Cega”, em que interpretou o prisioneiro João Vermelho. A peça de sua autoria “O Celibato”, conta a história de um padre que se apaixona por uma jovem, e se assemelha ao livro “O crime de padre Amaro” de Eça de Queirós. Em uma época de ditadura, “O Celibato” foi considerada um escândalo. 

A produção artístico-cultural de Evandro Barros foi marcada pela presença de temas humanistas e diversidade de gêneros, que resultou em cinco peças teatrais, 18 crônicas, 19 contos, 20 poemas e 101 episódios da série radiofônica “Contos que a noite contam” de grande repercussão na década de 80 em Campina Grande. 

Entre a expressiva quantidade de obras teatrais a que mais ganhou destaque foi “A casa de Irene” que trata de uma representação das relações que existiam, na época, entre a censura e os artistas.  Várias partes da obra foram censuradas e algumas páginas apresentavam o carimbo da Divisão de Censura de Diversões Públicas (DCDP), órgão regulamentado pelo governo, cujo objetivo era a censura prévia de cinema, televisão, espetáculos, música, rádio e impressos.


Fonte: BARROS NETO, Evandro Elias de. A Casa de Irene: censura do teatro campinense. Campina Grande, 2012. 21f. Artigo (Licenciatura em História). Universidade Estadual da Paraíba-UEPB, Campina Grande/PB.


10 comentários

  1. Anônimo on 12 de fevereiro de 2017 09:07

    Que orgulho da radiofonia campinense, escutava muito o programa, por volta de 91 e 92 o programa voltou a ser exibido mas não foi dado continuidade! Gostaria se ha algum acervo com os demais episódios?

     
  2. Mário Vinícius on 12 de fevereiro de 2017 11:52

    Parabéns pela postagem. Só estou estranhando o horário que dizia ser a exibição (22:00 horas). Isto porque recordo que eu estudava à noite até às 22h40m e voltava para casa. Já após ter tomado banho e jantado é que o programa começava, por volta das 23h30m. Lembro de dois que me marcaram bastante: "Quarenta e cinco, meia dúzia, treze... alô ?" e "A procissão da meia-noite". Gostava bastante quando os contos eram ambientados aqui em Campina Grande e arredores. Dava para "visualizar" com mais emoção.

     
  3. Rômulo Azevêdo on 12 de fevereiro de 2017 12:03

    Grande Evandro Barros, quando comecei em televisão(em setembro de 1983, na televisão Borborema, que na época era afiliada da Globo)ele foi meu companheiro de trabalho e me deu boas dicas sobre o trabalho em tv.
    Morreu cedo, teve um infarte fulminante aos cinquenta e poucos anos.
    A interpretação dele na peça "Essa justiça cega" do saudoso Hermano José, no papel de João Vermelho, é antológica.
    Também foi produtor de programas musicais destacando-se o programa "Aquarela Nordestina" que ele apresentava na rádio Cariri com o melhor da nossa música regional.
    Saudades do velho companheiro!

     
  4. marcio ricardo on 12 de fevereiro de 2017 13:47

    Recordar é viver. Ótimo registro.

     
  5. Adriano Figueiredo on 12 de fevereiro de 2017 19:05

    Registro fantástico

     
  6. Lenildo Ferreira on 12 de fevereiro de 2017 21:00

    Rapaz, excelente, show, sensacional, top!!! Parabéns para vocês. Eu ouvi, relembrei minha infância lá na Ramadinha II, e me arrepiei todinho. Grande Evandro Barros! Grande Retalhos Históricos!!!!

     
  7. Valfrêdo Farias on 14 de fevereiro de 2017 22:37

    Meus amigos... Só resta parabenizá-los e agradecer. Quantas vezes procurei na rede por algum episódio do "Contos que a Noite Conta". Ouvia muito na década de oitenta e realmente marcou. A ginástica que Evandro Barros fazia pra produzir o programa era enorme, mas era muito legal. Lembro bem do episódio que narrou aquela famosa explosão do cilindro no parque lá no José Pinheiro... Muitas saudades. Vamos agora ficar na expectativa por mais novidades. Mais uma vez... Obrigado!!!

     
  8. Bráulio Nóbrega on 18 de fevereiro de 2017 11:59

    Será que esse acervo ainda existe nas dependências da rádio? Esse trabalho pode realmente ser reexibido.

     
  9. Severino on 19 de fevereiro de 2017 19:32

    Que saudades ouvia sempre hoje voltei a adolescência parabéns seu blog é sensacional um grande abraço e continue esse trabalho maravilhoso e que deus te abençoe sempre.

     
  10. Unknown on 2 de abril de 2017 00:31

    posta mais adoro esse programa me dava arrepios amei

     


Postar um comentário

 
BlogBlogs.Com.Br