Serviço de Utilidade Pública - Lei Municipal nº 5096/2011 de 24 de Novembro de 2011
Criado por Adriano Araújo e Emmanuel Sousa
retalhoscg@hotmail.com

QUAL ASSUNTO VOCÊ ESTÁ PROCURANDO?

Por Equipe RHCG

Já falamos aqui no “RHCG” de algumas empresas que se beneficiaram econômicamente do auge do algodão em Campina Grande. Outro exemplo, podemos assim definir, foi o da firma “Demosthenes Barbosa”.


(foto da sede)

Foi fundada por Demosthenes de Souza Barbosa, nascido em Surubim - Pernambuco em 1866, mas que por receio dos ataques do cangaceiro Antônio Silvino, veio a se radicar em Campina Grande, quando se firmou como comerciante de couros e peles; algodão; fazendas e gados.

Fez grande fortuna e sua empresa algodoeira ficou conhecida em toda a região Nordeste, com representantes comerciais em vários Estados da Federação, inclusive, chegando a fazer propagandas na principal revista do país, o Cruzeiro em 1938, que disponibilizamos a seguir, graças a colaboração preciosa de Edival Toscano Varandas:

(Acervo de Edival Toscano Varandas - Revista O Cruzeiro 1938)

Em depoimento ao Arquivo Público, Otacílio Barbosa, filho de Demosthenes falou sobre a firma do pai: "No início, a firma Demosthenes Barbosa & Cia., comprava algodão em pluma nas chamadas sacas frouxas e a mercadoria era enviada para as firmas Kroncke em João Pessoa e outra em Recife onde as prensas de alta densidade acondicionavam o algodão em fardos de cerca de 200 quilos que eram vendidos para as praças do sul do país e estrangeiro. A firma de meu pai contava com uma pequena prensa, na Rua Irineu Joffily, que pertencera a T. Moura e, anteriormente, ao coronel Salvino Figueiredo. Somente em 1938 é que a firma de meu pai instalou uma prensa de alta densidade, na então Rua 21 de abril, hoje Rua Severino Cruz, as margens do Açude Velho, que foi comprada na Alemanha e fabricada por Krupp."

 (A prensa se localizava nas margens do Açude Velho)

O Sr. Demosthenes foi vereador e presidente da Câmara Municipal, chegando a assumir interinamente a Prefeitura. Também foi o primeiro presidente da Associação Comercial.

 (Cel. Demosthenes Barbosa e seu filho Leônidas)

Viria a falecer em 1952 em sua fazenda chamada “Conselheiro Municipal”. Em sua homenagem uma rua no centro da cidade seria batizada com seu nome.

Uma curiosidade: no local da atual agência dos Correios de Campina Grande, em frente a Praça da Bandeira, no passado estava o palacete de propriedade de Demosthenes Barbosa.

(A antiga casa de Demosthenes Barbosa sendo demolida para a construção dos Correios)

Fontes Utilizadas:

-Memorial Urbano de Campina Grande – Editora União
-Jornal da Paraíba (Coleção)
-Revista O Cruzeiro (Coleção)
-Museu Histórico de Campina Grande
-Arquivo Pessoal

9 comentários

  1. Anônimo on 29 de junho de 2013 15:32

    O Sr. Demosthenes não faleceu em sua fazenda. Lá ele passou mal e foi levado a Campina Grande para a casa de sua filha Luiza ( Luizinha)) casada com um médico, Dr. Benjamim. Lá faleceu segurando a mão de sua neta Maria Suely, filha de José Barbosa.

     
  2. genesis confecçoes on 20 de outubro de 2014 16:38

    Meus avos moraram na fazendo do coronel emclusive minha a vo e afilhada de luiza ..ela se chama zefinha bezerra . Filha de mane mano

     
  3. Águia vinte e seis on 23 de novembro de 2014 16:19

    Sou neto de uma filha dele. Geni Barbosa! Casada com Cícero Máximo Ferreira que chegou a ser Ten. da PMPB, fazendo crescer outra ramificação da família Barbosa.

     
  4. helvia cavalcanti on 21 de fevereiro de 2015 20:30

    JÁ NA DECADA DE 40 DEMOSTHENES BARBOZA EXPORTAVA ALGODAO, INCLUSIVE COM UM ESCRITORIO NOS EUA!

     
  5. Eileen D. on 6 de julho de 2016 02:56

    My Grandfather Severino De Sousa Barboza born in 1905 and came to America in 1920, is the son of Demosthenes.
    His Brothers were Leondias and Jose.
    I am excited to find anyother information about my family.
    My Name is Eileen Barboza
    My grandfather had 5 children 4 girls and 1 boy.
    Cmadorsey77@gmail.com

     
  6. Unknown on 24 de dezembro de 2016 19:01

    Gostaríamos de compartilhar histórias minha vó morou nessa fazenda por favor entre em contato 99 991715027 watsapp

     
  7. grayce on 25 de janeiro de 2017 14:51

    Sou dá família Barbosa, meu avô era de Surubim PE, minha vó era de bom Jardim, José Salvino Barbosa e Raimunda Maria Barbosa, gostaria saber dá história dá família Barbosa

     
  8. Arlete Dias on 28 de janeiro de 2017 21:29

    Minha mãe conta histórias sobre o coronel,descrevendo-o como um homem muito bom.Meu avô Manoel Bezerra da Silva minha avó Antonia Maria da Conceição trabalharam mais de 20 anos trabalhando na fazenda 'lavandeira".
    Minha mãe o conheceu pessoalmente,eles se visitavam e passeavam juntos.

     
  9. Arlete Dias on 28 de janeiro de 2017 21:40

    Minha mãe Maria José lembra- se do dia da sua morte,ela disse que foi um dia marcante seu irmao nasceu em uma noite,e o coronel morreu na outra. Segundo ela foi meu avô Manoel que cavou a sepultara e oeganizou seu funeral no fundo da igreja católica Padroeiro São José.Ela lembra que foi um grande acontecimento pelo número de pessoas e carros no local. Sua esposa se chamava Astrogilda.

     


Postar um comentário

 
BlogBlogs.Com.Br