Serviço de Utilidade Pública - Lei Municipal nº 5096/2011 de 24 de Novembro de 2011
Criado por Adriano Araújo e Emmanuel Sousa
retalhoscg@hotmail.com

QUAL ASSUNTO VOCÊ ESTÁ PROCURANDO?

O Campinense Clube, conhecido como o “aristocrático”, foi fundado em 12 de abril de 1915, pelas seguintes pessoas: Acácio Figueiredo, Adauto Belo, Adauto Melo, Alberto Saldanha, Alexandrino Melo, Antônio Cavalcanti, Antônio Lima, Arnaldo Albuquerque, Basílio Agustinho de Araújo, César Ribeiro, Dino Belo, Elias Montenegro, Gilberto Leite, Gumercindo Leite, Horácio Cavalcanti, João Honório, José Amorim, José Aranha, José Câmara, Luis Soares, Manoel Colaço, Martiniano Lins, Nhô Campos, Sebastião Capiba, Severino Capiba, Sindô Ribeiro, Tertuliano Souto e Valdemar Candeia.

Em 1917, Arnaldo Albuquerque que era o presidente do clube, criou o departamento de futebol.


Em 1920, o então dirigente Severino Procópio resolveu cancelar o futebol no clube, em virtude das brigas sempre constantes nos jogos de futebol. O rival na época era o América e segundo algumas fontes pesquisadas, teve jogo que chegou a ser decidido na "bala".

Durante 34 anos, Campina Grande viu a rivalidade futebolística ser dividida entre Treze e Paulistano, até que Gilvan Barbosa, contando com a ajuda de sócios como Wilson Leitão, Evaldo Cruz, Washington Morais, Miro Herculano, Souto Filho, Wilson Rodrigues e outros, resolveram no dia 12 de março de 1954, fundar o Centro Esportivo Campinense Clube.


Time amador de 1954 ao lado de Antônio Fernandes Bióca


A fase do amadorismo durou até 1958, quando o clube foi profissionalizado. A partir daí disputaria o Campeonato Paraibano com regularidade, fato, por exemplo, que não acontecia com o Treze, que em muitos anos privilegiou amistosos ao Campeonato. O mascote do clube seria a “Raposa”, em alusão ao fato deste animal ser o grande algoz do Galo, o mascote do maior rival.

Na temporada de 1960 conquistaria seu primeiro título estadual. Em 15 de outubro de 1961, conquistaria o segundo turno em cima de seu rival, o Galo da Borborema. Ao final do torneio, o bicampeonato paraibano.


Campanha de 1960:



Campinense 3 1 Ibis
Campinense 2 0 Santos
Campinense 3 1 Auto Esporte
Campinense 11 1 Comerciário
Campinense 1 0 Estrela do Mar
Campinense 2 1 Auto Esporte
Campinense 2 1 Paulistano
Campinense 7 1 Estrela do Mar
Campinense 2 0 Botafogo
Campinense 3 1 Paulistano
Campinense 7 0 Estrela do Mar
Campinense 0 1 Botafogo

Artilheiros:

Ibiapino 18, Delgado 14, Géo 10 e Martinho 9

Campanha de 1961:






Campinense 9 1 Santos
Campinense 4 0 Auto Esporte
Campinense 1 2 Botafogo
Campinense 1 0 Paulistano
Campinense 0 2 Treze
Campinense 1 0 Treze
Campinense 4 1 Auto Esporte
Campinense 2 0 Paulistano
Campinense 2 1 Santos
Campinense 0 1 Botafogo
Campinense 1 1 Treze
Campinense 2 1 Treze

Artilheiros:


Chicletes 5, Zezinho 4, Ibiapino 3 e Tonho Zeca 3

O ano de 1962 foi inesquecível. Além do tricampeonato estadual, o Campinense faria uma campanha sensacional na Taça do Brasil. O grande momento desse campeonato foi sem dúvida, o jogo contra o Bahia, em 11 de novembro de 1962. O “Esquadrão de Aço” tinha sido o campeão da Taça Brasil de 1959 em cima do Santos de Pelé e todos apostavam na eliminação do Campinense. Porém, jogando no Estádio Municipal Plínio Lemos, a Raposa com apenas 10 homens, já que Zé Preto havia sido expulso, sustentou um empate em 1 a 1, que classificaria o clube de Campina Grande para fase posterior. Nos jogos seguintes, infelizmente o clube seria eliminado pelo Sport de Recife, perdendo a chance de enfrentar o Santos de Pelé. 




Campanha de 1962:




Campinense 6 2 União
Campinense 1 0 Red Cross
Campinense 3 1 Botafogo
Campinense 0 1 Santos
Campinense 4 1 Paulistano
Campinense 1 1 Treze
Campinense 3 0 Auto Esporte
Campinense 1 0 Paulistano
Campinense 2 1 Paulistano
Campinense 4 1 Santos
Campinense 2 1 União
Campinense 3 1 Red Cross
Campinense 5 1 Auto Esporte
Campinense 2 0 Botafogo
Campinense 2 1 Treze
Campinense 2 2 Treze
Campinense 2 1 Treze

Artilheiros:

Tonho Zeca 12, Ireno 8, Araponga 7 e Zé Luiz 5

O tetra estadual viria em 1963 e o penta em 1964, quando então uma boa parte da cidade já torcia para o clube de Zé Pinheiro. Na imagem abaixo, dirigentes e torcida fazem a festa (clique para ampliar): 




Campanha de 1963: 






Campinense 1 0 Red Cross
Campinense 1 0 Botafogo
Campinense 2 0 União
Campinense 1 1 Treze
Campinense 7 1 Santos
Campinense 2 0 Santos
Campinense 5 0 Red Cross
Campinense 5 0 União
Campinense 2 0 Botafogo
Campinense 0 1 Treze
Campinense 1 1 Treze
Campinense 2 0 Treze
Campinense 2 2 Treze

Artilheiros:

Cocó 11, Tonho Zeca 7, Araponga, Nogueira e Erandir 3

Campanha de 1964 (ANO DO CENTENÁRIO DE CAMPINA GRANDE):

Campinense 2 0 Auto Esporte
Campinense 3 0 União
Campinense 4 0 Botafogo
Campinense 4 1 Auto Esporte
Campinense 2 2 Treze
Campinense 3 2 Guarabira
Campinense 3 1 Santos
Campinense 0 0 Treze
Campinense 2 2 Treze
Campinense 2 2 Treze
Campinense 2 1 União
Campinense 2 1 Botafogo
Campinense 4 0 Santos
Campinense 4 1 Guarabira
Campinense 11 0 Red Cross
Campinense 8 0 Auto Esporte
Campinense 0 0 Treze
Campinense 1 2 Treze
Campinense 2 1 Treze
Campinense 2 1 Treze

Artilheiros:

Ruiter 16, Cocó 14, Araponga 11 e Coca-Cola 6

Em 1965 a grande consagração do clube. A conquista do inédito hexacampeonato estadual, em façanha até aqui jamais igualada por nenhuma equipe paraibana. O título veio em cima do Botafogo de João Pessoa.

À época o jornalista Joselito Lucena, produziu um “Long Play”, que contava além da história do Campinense Clube, os momentos do hexa. Esse material foi digitalizado e nossos visitantes podem escutá-lo se acessar o link a seguir:


Campanha de 1965:

Campinense 2 1 União
Campinense 3 0 Guarabira
Campinense 1 2 Santos
Campinense 1 5 Botafogo
Campinense 6 2 Auto Esporte
Campinense 1 1 Nacional
Campinense 8 0 Cinco de Agosto
Campinense 4 3 Esporte de Patos
Campinense 0 1 Treze
Campinense 5 0 Cinco de Agosto
Campinense 2 0 Nacional
Campinense 0 0 Guarabira
Campinense 3 0 Santos
Campinense 0 1 Botafogo
Campinense 1 2 Esporte de Patos
Campinense 3 2 União
Campinense 0 1 Treze
Campinense 3 2 Guarabira
Campinense 2 1 União
Campinense 2 0 Treze
Campinense 4 1 Botafogo
Campinense 0 0 Nacional
Campinense 2 0 Guarabira
Campinense 0 0 União
Campinense 0 0 Treze
Campinense 3 0 Botafogo
Campinense 2 1 Nacional
Campinense 1 0 Botafogo
Campinense 0 0 Botafogo
Campinense 1 0 Botafogo

Artilheiros:
Ireno 17, Debinha 9 e Ruiter 7

(Fim da 1ª Parte)

3 comentários

  1. Diego on 8 de abril de 2010 21:56

    Olá, sou Raposeiro doente e queria saber como posso conseguir esse audio de Joselito Lucena de 1965

    Preciso muito guardar de recordação essa reliquia

    Qualquer coisa me passa um e-mail:

    diego_for_all@hotmail.com

     
  2. Tairone Paz on 8 de abril de 2010 22:23

    Muito boa a reportagem sobre o MAIOR CLUBE DA PARAÍBA!

    Que venha futuramente mais fotos e relíquias sobre está grande nação!

     
  3. Jônatas Rodrigues Pereira on 5 de novembro de 2011 09:55

    Me emocionei com esta inesquecível passagem do Rubro Negro narrado pelo saudoso Joselito Lucena em 1966. Parabéns a todos que postaram este belo documentário.

     


Postar um comentário

 
BlogBlogs.Com.Br