Serviço de Utilidade Pública - Lei Municipal nº 5096/2011 de 24 de Novembro de 2011
Criado por Adriano Araújo e Emmanuel Sousa
retalhoscg@hotmail.com

QUAL ASSUNTO VOCÊ ESTÁ PROCURANDO?

Rau Ferreira*



HORTÊNSIO de Souza RIBEIRO nasceu em Campina Grande no dia 31 de janeiro de 1895, filho de João Maria de Souza e de Minervina de Miranda Lima. Escritor, advogado e jornalista, foi o mais campinense dos campinenses.

Iniciou seus estudos primários no Colégio São José, e fez o curso preparatório no antigo Grêmio de Instrução, na Capital.

Em 1903, matriculou-se na Faculdade de Direito do Recife, não chegando a fazer os exames de final de ano por motivos de saúde.

Não mediu esforços para tentar reabrir as prensas da Gazeta do Sertão, jornal editado em Campina por Irineu Jóffily e que foi empastelada em 1891.

Em 1910, viajou para o Recife na tentativa de reunir recursos para fazer circular esta folha. A esse respeito, noticiava A Província de Pernambuco:

“Visitou-nos hontem à noite o Sr. Hortencio Ribeiro, que se acha há dias nesta cidade tratando de reunir elementos indispensáveis à publicação de um jornal em Campina Grande, onde reside.

Esse periódico, que começara hebdomadário, denominar-se-à Gazeta do Sertão, a qual, assim reaparecerá em segunda phase, pois a sua primeira épocha pertenceu ao dr. Irineu Jóffily que foi o seu fundador.

O próximo número deverá surgir no domingo vindouro sob a exclusiva direcção do Sr. Hortencio Ribeiro, que à referida Gazeta pretende imprimir uma feição accentuadamente opposicionista, de combate franco às oligarquias.

Ao Sr. Hortêncio Ribeiro agradecemos a visita e ao seu futuro jornal desejamos todas as prosperidades” (A Província: 20/03/1910).

Esta empreitada só veio à lume em 1923. Contudo, o periódico teve vida efêmera, circulando na cidade Rainha da Borborema, em sua segunda fase, por tão somente um ano.

Em 1914, transfere seu bacharelado para a então Capital da  República, colando grau em 1918. Ainda no Rio, tentou estudar medicina, mas abandonou o curso no segundo ano, retornando para Campina Grande.

Embora fosse afilhado de Christiano Lauritzen, não seguiu a mesma ideologia política, preferindo a corrente filosófica de Augusto Comte.

Na sua terra natal, passa a exercer a advocacia, cujo escritório era referência para jovens que desejam ingressar nas artes literárias, participando ativamente de diversos grêmios, citemos: “Gabinete de Literatura Sete de Setembro” e “Centro de Estudos Campinenses”.

Convolou núpcias em 1939 com a Senhora Maria de Moura Ribeiro, com quem teve quatro filhos: Maria de Molina, Rosália Maria, João Hortênsio e Jacinta de Fátima.

Colaborou com diversos jornais paraibanos, publicando crônicas e ensaios.

N'A Imprensa – jornal da Arquidiocese da Paraíba – manteve por muitos anos a sua coluna “Nota do Dia”, escrevendo ainda para A União, A Voz da Borborema, Revista do IHGP e Jornal do Comércio, do Recife.
Ingressou no magistério, lecionando História Geral e do Brasil em diversos educandários da Paraíba.

Ao lado de Matias Freire e Coriolando de Medeiros, fundou a Academia Paraibana de Letras, ingressando em seus quadros em 14 de setembro de 1941.

Faleceu em 15 de novembro de 1961, sem deixar livros no prelo. Todavia, sua esposa reuniu em um único compêndio, intitulado “Vultos e Fatos”, parte de suas crônicas e coletâneas de perfis biográficos dos mais destacados personagens da história campinense e paraibana, cuja obra foi lançada pelo Governo do Estado em 1979.



Em Campina, uma estadual de ensino fundamental e médio no bairro do Catolé, foi denominada em sua homenagem.

(*) Cidadão esperancense, bacharel em Direito pela UEPB e autor dos livros SILVINO OLAVO (2010) e JOÃO BENEDITO: O CANTADOR DE ESPERANÇA (2011). Prefaciador do livro ELISIO SOBREIRA (2010), colabora com diversos sites de notícias e história. Pesquisador dedicado descobriu diversos papéis e documentos que remontam à formação do município de Esperança, desde a concessão das Sesmarias até a fundação da Fazenda Banabuyê Cariá, que foi a sua origem.

Referência:
- A PROVÍNCIA, Jornal. Ano XXXIII. Edição de Domingo, 20 de março. Recife/PE: 1910.
- ARAÚJO, Maria de Fátima. Paraíba, imprensa e vida: jornalismo impresso 1826 a 1986. 2ª. Edição. Editora e Jornal da Paraíba: 1986.
- COSTA, Cláudio Santa Cruz. O campinense Hortênsio Ribeiro. In: Revista da APL, Nº 08. João Pessoa: 1978.
- FILHO, Lino Gomes da Silva. Síntese histórica de Campina Grande, 1670-1963. Grafset: 2005.
- GAUDÊNCIO, Bruno. Quem foi Hortênsio Ribeiro? In: http://almanaquecampinagrande.blogspot.com.br/. Acesso em 10/09/2012.
- RIBEIRO, Hortênsio de Souza. Vultos e fatos. Governo do Estado. João Pessoa/PB: 1979.

2 comentários

  1. gustavo ribeiro on 19 de outubro de 2012 13:50

    Hortênsio Ribeiro foi um dos fundadores do Campinense Club. Inclusive foi quem sugeriu o nome.

     
  2. Hortensio Ribeiro Faraúde on 17 de fevereiro de 2014 13:02

    muito bom mesmo

     


Postar um comentário

 
BlogBlogs.Com.Br