Serviço de Utilidade Pública - Lei Municipal nº 5096/2011 de 24 de Novembro de 2011
Criado por Adriano Araújo e Emmanuel Sousa
retalhoscg@hotmail.com

QUAL ASSUNTO VOCÊ ESTÁ PROCURANDO?

Nasceu ELPÍDIO Josué de ALMEIDA na cidade de Areia, mas preferiu radicar-se na Cidade Rainha da Borborema. Formado em Medicina pela UERJ, aportou em Campina em dezembro de 1925, para integrar o corpo médico do Posto de Profilaxia Rural "Lafaiete de Freitas".

Com 36 anos foi eleito Conselheiro Municipal e, por suas vezes prefeito desta Cidade (1947/51 e 1955/59), assumindo ainda uma cadeira na Assembleia Federal em 1951.

Como adido cultural, participou da criação da Revista Campinense de Cultura lançada em comemoração ao centenário de Campina Grande, e escreveu duas obras de grande importância: “Areia e a abolição da Escravatura: o apostolado de Manoel da Silva” (Oficinas gráficas do Jornal do Commercio, 1946) e “História de Campina Grande”, que é o nosso foco.

O livro – editado pela LIVRARIA PEDROSA e impresso no Recife em 1962 - traz o prospecto da cidade desde a antiga Aldeia Velha até o período revolucionário de ‘30. Contém 424 páginas, divididas em 32 capítulos, com destaque para a sua origem, vultos e personalidades. 

Em seu prefácio, enfatiza o autor:

“(...) impunha‐se a elaboração deste trabalho, sem mira a prêmio ou ajuda oficial, como contribuição espontânea às festividades de 1º centenário da cidade, a comemora‐se em 11 de outubro de 1964. Como realizá‐las com afeição e ufanias sem um caderno descritivo do seu passado? Sem um depoimento exato sobre os homens que a fundaram? Sem uma narrativa dos principais sucessos ocorridos em seu território, desde o tempo da fundação da aldeia, velha de quase três séculos? Aparece essa publicação para evitar a falha” (Elpídio de Almeida).

O compêndio destaca a dificuldade no abastecimento d’água e a seca no primeiro século, os fatos políticos – como as Câmaras que dirigiram o Município de 1853 a 1866, e as que sucederam até 1930 – os acontecimentos até a Proclamação da República (1889), o surgimento do Grupo Escolar “Solon de Lucena” (1924), dentre outros aspectos:

“A água para as necessidades domésticas era difícil, mas com despesa e trabalho se obtinha. As fontes do Lozeiro, não muito distante, acudiam aos habitantes nessas emergências” (págs. 119 e 159).

O Dr. Elpídio em sua obranos lembra a velha denominação da cidade (Paupina), muito antes de ser vila, constante da Geografia Brasília (1817). Ele também menciona que, um ano após o aldeamento, ela figurava como povoação no mapa de Andreas Horatiy, utilizado por Frei Gioseppe de Santa Tereza em sua “Istoriadelle Guerra delRegnodelBrasile” (1898). Seria o Aldeamento dos Ariús (1697), citado por Câmara Cascudo.

Em Campina, foram muitas as homenagens ao médico areiense que instalara seu consultório na Av. Marechal Floriano, citemos: A maternidade municipal, o viaduto na entrada da cidade e a denominação do instituto histórico campinense.

O Dr. Elpídio de Almeida é patrono das Cadeiras n° 11, da Academia de Letras de Campina Grande - ALCG; e n° 5 do Instituto Histórico e Geográfico da Paraíba - IHGP.


Rau Ferreira




Depois do livro de Boulanger Uchôa (Subsídios para a História Eclesiástica de Campina Grande), o que mais se aproxima acerca do registro histórico da religião campinense é o livro de Epaminondas Câmara: “Evolução do catolicismo na Paraíba-aos 500 anos da descoberta do Brasil”. 

Moacir Germano, em suas notas introdutórias, destaca a destreza do autor, que ao mesmo tempo se apresenta como “historiador e artista”, comparando-o a Tolstói em seu clássico “Guerra e Paz”:

Foi imbuído nesse espírito que o escritor esperancense começou a escrever, para o órgão católico “A Imprensa”, artigos que foram publicados entre 9 de abril a 12 de agosto de 1950, totalizando sessenta textos que compuseram este livro sobre o catolicismo na Paraíba. 

O jornal “A Imprensa Catholica” foi criado em 1893 pela Diocese da Parahyba com o objetivo de divulgar a fé cristã e combater as heresias.

A produção textual de Epaminondas permaneceu arquivada na Cúria Metropolitana por cerca de meio século, apesar de publicada nos folhetins de “A Imprensa”. Foi o professor Antônio Soares que se esmerou em garimpar essa relíquia para publicar, através das Edições Caravela, com a ajuda do Núcleo Cultural Campinense e da Academia de Letras de Campina Grande aquela que “resistiu às traças e aos cupins”, vindo à lume nos anos 2000.

A obra destaca a influência da Igreja Católica no movimento social e cultural do Estado, sem olvidar a participação do protestantismo na formação do ser e do saber de nossa gente; e muito menos a despeito contribuição do domínio holandês na formação da identidade popular. 

O livro possui 140 páginas e em sua folha de rosto dá autoria da capa ao cartunista Fred Ozanam, com fragmentos de xilogravura de Josafá de Orós. 

No dizer de Germano, não se constitui em uma apologia ou elogio ao clero, mas um relato da instituição no desbravamento do território e sua expansão da catequese, nas palavras de Epaminondas:

“E quanto aos demais livros da história paraibana, tenho observado que os seus autores não tem situado, no verdadeiro lugar, a grande influência, ou melhor, a grande coadjuvação da Igreja Católica na evolução social, moral, cultural e econômica do nosso estado. [...] não me interessa o fato de alguns historiadores universais ou brasileiros, a serviço de credos, filosofias ou sistemas políticos inconsistentes procurarem desvirtuar ação da igreja pondo em relevo alguns fatos, isolados e reprováveis cuja culpa não cabe a ela, mas a certos clérigos desviados da sublime missão” (CÂMARA: 2000).

O livro apresenta não apenas a formação moral, mas o contributo social e econômico das irmandades missionárias católicas, ligadas a alfabetização, construção de escolas e postos de trabalho.


Rau Ferreira


CHAPÉU PRETO

Raymundo Asfóra foi um grande advogado, político e orador de ascendência sírio-libanesa que encantou Campina Grande e a Paraíba com seus versos de singular estética. Era um defensor incansável da Paraíba e de Campina, que eternizou o seu amor no poema/canção “Tropeiros da Borborema”.

O crítico literário José Mário da Silva Branco, em artigo para o Correio das Artes [Ano LXIX, Nº 11: 2019] escreveu que “Raymundo YasbeckAsfóra é um código onomástico que impõe respeito, é signo coletivo numeroso e multiplicado, para cuja adequada apreciação faz-se necessária uma hermenêutica aberta, pluridimensional”.

O boêmio Asfórafrequentava bares campinenses e com frequência declamara seus versosque fascinava a todos com a sua lírica poética; sonetista impecável, ora em versos sáficos, ora heroicos, com ritmo, imagem e conceito de fino lavor de joalheiro, como nos define o mestre Zé Mário da Academia de Letras de Campina Grande.

“A morte está enganada / Eu vou viver depois dela!”, assim escrevera.De fato, a memória de Asfora é cultivada pelos intelectuais e, se pode observar deste poema que ora resgatamos das páginas do velho jornal “O Rebate” do professor Luiz Gil de Figueiredo:

ÚLTIMO ADEUS

Tenho bem viva, na lembrança, aquela
tarde estival do derradeiro adeus,
o sol poente, com frágil vela,
cedia à noite as amplidões dos céus.
Pálida e triste, mas de face bela,
tendo o crepúsculo nos olhares seus,
por entre as brumas da distância, ela,
partiu saudosa entre um saudoso adeus.
E, a relembrá-la, estou no meu caminho,
arquitetando, em sonho, o nosso ninho
na frondosa palmeira da ilusão.
Mas ela, ingrata, não voltou mais nunca...
E o pesadelo que o meu sonho trunca,
É atroz ironia da desilusão.

Este poema foi publicado em 04 de outubro de 1949, quando Asfora contava apenas 19 anos de idade.

De igual beleza são os versos de “Chapéu preto”, de sua autoria e que foi reproduzido em folheto como homenagem póstuma pela Livraria Pedrosa. Vejamos:

CHAPÉU PRETO
Era preto, tão preto como preto
foi seu destino de findar ao léu...
e, sendo preto assim o meu chapéu,
faço-lhe preto todo este soneto.
Preto um quarteto como outro quarteto,
e como o preto deste preto véu
de mistério que oculta o meu chapéu
preto farei, também, o seu terceto.
Preto e mais preto do que o próprio preto!
Preto e tão preto quanto este soneto
Ou como o preto de um brumoso céu...
Com o meu preto chapéu me comprometo
a nunca mais usar um chapéu preto,
preto, tão preto como o meu chapéu.
Raimundo Asfora

Formado em Direito pela UFPE, ingressou na política em 1954, assumindo uma cadeira na Câmara Municipal; quatro anos depois, elegeu-se deputado estadual pelo PSB, seguindo-se, a partir deste momento, inúmeras vitórias nas urnas.

Faleceu aos 56 anos, na Granja Uirapuru, em Campina Grande,no cargo de vice-governador da Paraíba, no dia 06 de março de 1987.


Rau Ferreira


Um curioso registro encontrado no Diário da Borborema de 1958, mostrando o Carnaval de Campina Grande, evento na época muito forte em nossa cidade e que tinha sua maior concentração nos clubes da cidade.




Com destaque de capa para as Eleições de 1982 e à morte do ex-governador Argemiro de Figueiredo, o Anuário Campina Grande 1982, editado por Evaldo Cruz, trouxe em seu conteúdo um excelente acervo de matérias que nos remetia aos aspectos gerais de como era nossa cidade no início da Década de 80.

A edição, publicada pela "Anuários da Paráiba Ltda" contou em seu suporte técnico com Ademar Martins Leite (Diretor Secretário), Conselho Editorial composto por Eurípedes Oliveira, José Gil Gonçalves, J. Leite Sobrinho, Severino Machado e Williams Ramos Tejo. Contou, ainda, com artigos escritos por Frei Matias Gonzaga de Albuquerque, Humberto Melo, José Bolívar Vieira da Rocha, José Elias Barbosa Borges, Luiz Nunes Alves e Maria de Lourdes Nunes Ramalho.

As pesquisas estatísticas foram responsabilidade de Antonio Gláucio Souza Gomes.

Abaixo, a íntegra da edição "Anuário Campina Grande 1982"

Christiano Lauritzen
Equipe RHCG

O assunto “Chegada do Trem em Campina Grande” já foi bastante documentado aqui no blog “RHCG”. Este evento é um fator primordial no impulso econômico que a “Rainha da Borborema” sofreu durante a primeira metade do século XX e conseqüentemente, na importância de nossa cidade no panorama paraibano da atualidade.

O que poucos sabem é do período “pré-trem”, do anseio da população e também, dos debates políticos que o assunto provocava antes do ano de 1907. O jornal de oposição “Gazeta do Sertão”, que tinha como diretor Irinêo Joffily, publicou um artigo no dia 06 de junho de 1890, denominado “Via-Ferrea de Campina”, que relatava a luta para trazer a ferrovia para nossa cidade, além de “cutucar” o dinamarquês Christiano Lauritzen, o grande responsável por trazer o trem a Campina Grande. A seguir, reproduzimos o artigo, com singela adaptação aos moldes da linguagem atual:


Via-ferrea de Campina

Tem sido a nossa "defenda Cartago", o prolongamento da via-ferrea Conde D Eu até esta cidade; e este melhoramento tantas vezes reclamado já pela assembléia provincial em diversas sessões até 1888, e já pela imprensa, é hoje o desejo unânime da população deste Estado.

Mas apesar disto, não deixamos de experimentar surpresa com a visita, que em um dos últimos dias da semana passada, recebemos do presidente da intendência desta cidade *, declarando que partia para o Rio de Janeiro, com o fim de solicitar ao governo provisório a pronta extensão da estrada de ferro, até esta cidade.

A firme esperança que nutre o cidadão Lauritzen de resolver com a sua presença na capital federal, os obstáculos para a realização de semelhante empresa é fundada na intervenção de poderosos amigos.

Quais serão eles?

Não vemos outros senão os generais paraibanos, que tomaram parte tão decisiva na revolução de 15 de novembro**.

Reconhecemos a força que perante o chefe do governo provisório tem os generais Almeida Barreto e T. Neiva e o coronel João Neiva; força unanimemente reconhecida neste Estado, porque eles têm sido confiados os seus destinos.

E por isto mesmo temos lastimado que tão grande prestígio tenha sido empregado somente na criação e supressão de comarcas e nomeações de juízes de direito, visando apenas fins eleitorais; e, portanto até agora em pura perda para os mais urgentes melhoramentos deste Estado.

Mas se os distintos militares paraibanos podem facilmente dotar esta terra de que querem ser representantes no congresso nacional, com uma estrada de ferro; quererão eles que a glória fique ao presidente da intendência desta cidade?

Não é crível. O que se comenta é que a eleição está próxima e a estrada de ferro estando longe, é preciso que se fale sempre nela para produzir calculados efeitos.

Já se anuncia que o general Almeida Barreto pretende brevemente visitar esta terra, que não vê desde os verdes anos, quando entrou para a carreira em que tem colhido tantos louros.

O valente general seria recebido com as maiores aclamações, se conseguindo com seu prestígio a estrada de ferro de Campina, viesse ao mesmo tempo assistir a inauguração dos seus trabalhos.

Nenhum fato o recomendaria tanto na opinião pública. Promessas? Ninguém mais acredita nelas.

Res, non verbat ***

Como quer que seja, louvando a fé do cidadão Christiano Lauritzen, a fé que fez remover montanhas, agradecemos a sua visita desejando-lhe a mais feliz viagem.


* Christiano Lauritzen
** Proclamação da República
*** Fatos, não palavras


Por Adriano Araujo

Nascido na Jutlândia, pequena península da Dinamarca, em 1847, Cristiano Lauritzen aportou no Brasil, em Recife, aos 21 anos. Chegou em Campina Grande quando ainda éramos um burgo com 3 mil habitantes, por volta de 1880.

Como já tratado por este blog em algumas imagens postadas, estabeleceu-se no ramo de jóias e relógios na antiga Rua Grande, hoje Rua Maciel Pinheiro.

Em 1883 casou-se com a senhora Elvira Cavalcanti, filha do comerciante Alexandrino Cavalcanti, então Presidente da Câmara Municipal de Vereadores, com quem teve dez filhos.

Lauritzen, enquanto habitante de Campina Grande, dedicou sua vida na busca do estabelecimento do progresso ao nosso Município. Foi prefeito municipal durante 19 anos ininterruptos e, à ele, devemos a chegada do primeiro trem a Campina Grande, fazendo com que a cidade fosse o ponto final da ferrovia Great Western, marco histórico para o desenvolvimento econômico da nossa região.

Em frente à sua residência, à Rua Maciel Pinheiro, conforme imagens anteriormente postadas, encontrava-se a Praça Epitácio Pessoa, batizada com este nome em virtude da homenagem prestada por Cristiano Lauritzen  construindo uma estátua, em 1914, àquele que viria ser Presidente da República cinco anos mais tarde.

Foi o fundador do Jornal Correio de Campina Grande, em 1922.

Cristiano Lauritzen faleceu no ano de 1923, ainda exercendo o mandato de Prefeito de Campina Grande. Após sua morte, seu filho Ernani Lauritzen fora nomeado pelo governador Solon de Lucena para sucedê-lo à frente da Prefeitura Municipal, de 1924 até o ano de 1928.

O professor universitário Daniel Duarte, lembrou em sua página do facebook que em 18 de Novembro de 2023, se completará 100 anos da morte do ex-prefeito, esperamos uma homenagem a altura pelos órgãos de Campina Grande.

Equipe RHCG


O Dinamarquês Cristiano Lauritzen e sua família, no ano de 1913. Ao lado da sua esposa Elvira e rodeado pelos filhos (esquerda para direita, em pé) Ernani, José e Luiz e das filhas Maria Christina, Christina, Inah e Maria Amélia.

Um fato curioso à imagem é a compenetração de pesar em que se encontrava a família, em luto pelo recente falecimento do filho primogênito, Alexandrino.

Fonte Consultada:
Anuário Campina Grande, 1982

Por Equipe RHCG


Antigo sobrado do dinamarquês Cristiano Lauritzen, localizado à Rua Maciel Pinheiro, no Centro de Campina Grande.

No ano de 1984 este imóvel sofreu uma tentativa de demolição, o que o descaracterizou em seus aspectos originais, conforme é possível identificar as diferenças na parte superior da arquitetura.




por Rau Ferreira

Christiano Lauritzen
O prolongamento da ferrovia Conde d’Eu deve-se ao empenho de Christiano Lauritzen, na época Chefe da Intendência Municipal de Campina. O dinamarquês viajou à Capital Federal (Rio de Janeiro) para viabilizar o ramal que ligaria esta cidade à Alagoa Grande.

A comissão de estudos retornou em julho daquele ano, e firmou a primeira balisa no final da rua do Oriente, também conhecida como dos Mulungús, aquém do açude das Piabas. Estava esta primeira estaca apontava na direção do Riachão de Ingá, permeando as fraldas do elevado morro do Araçá e Oity, segundo sugestão de Irineu Jóffily.

O jornal A PROVÍNCIA de Recife republicou uma carta em que o velho intendente de Campina fizera publicar n’O Commercio da Parahyba. 

Christiano Lauritzen sobre a sua viagem e o esforço que empreendeu para a construção da via férrea de Campina. Em sua opinião o prologamento de Mulungú à Campina – em vez de Pilar à Campina, como era o traçado do projeto primitivo – era mais favorável às rendas públicas.

Para evitar discussões e divergências, aceitou as modificações e retornou no dia 10 de julho de 1890, acompanhado de dois engenheiros, o Dr. Crockratt de Sá e Corte Real, assim noticiado pela Gazeta do Sertão: 
“Última hora – Chegou ontem às 6 horas da tarde de volta de sua viagem à capital federal, o cidadão Christiano Lauritzen; acompanhado de dois engenheiros Drs. Crockratt de Sá, chefe da comissão que vai, segundo nos informam, fazer os estudos da estrada de ferro deta cidade à Mulungú, e o Dr. Corte Real.
Os três distintos Cidadãos foram encontrados por mais de cem cavalheiros.(...)” (Gazeta do Sertão: 11/07/1890).
Christiano sugeriu que a escolha recaísse entre Alagoa Grande e Campina, pois a serra que liga os municípios apresentava uma elevação gradual, evitando-se assim o terreno montanhoso dos contrafortes da Borborema.

O quilômetro do traçado estava orçado em 70,000$000, valor este que duplicava em face do cambio, muito aquém do orçamento público. Diante dessas complicações, considerava o dinamarquês as dificuldades da estrada de ferro, porquanto as companhias pouco se interessavam na sua construção, e explica-se:
“Sempre pensei que sem a garantia de juros, ou construção administrativa, seria difícil fazer-se uma estrada aqui no estado; portanto, negados estes dois meios, perdi a esperança de ver a estrada em Campina. Entretanto, entendi-me com o superintendente da Conde d’Eu, para saber se a companhia poderia contratar o trecho de Pilar a Itabaiana, por que parecia-me contratado o trecho de Timbaúba a Itabaiana pela Companhia Great Western, poderia estabelecer-se para o prolongamento de Campina um acordo ou competência”.
Na época, o superintendente da companhia – Mr. Sumner, informara que, em virtude de continuados prejuízos, a firma não poderia levantar capitais para este empreendimento, e com muita dificuldade realizava o contrato de Alagoa Grande.

Neste ponto da carta, desabafa o intendente municipal:
“Se eu estivesse na administração das rendas municipais aqui, teria ainda tentado como último recurso preparar o leito da estrada até os limites do município, embora tivesse de consumir durante uns 5 anos as rendas e meu trabalho na tentativa, que parecerá a muitos irrealizável, mas que não me intimidaria (...)”.
Com efeito, Lauritzen que estava a frente da intendência, em pouco menos de dois anos, e com uma renda inferior a 5:000$000, construiu um prédio para a instrução pública, edifício este que em 1901 estava avaliado em 15,000$000. E ainda na sua gestão, encomendou um “regulador” (relógio) para a igreja Matriz, este no valor de 1:500$000.Registre-se que a renda do município era pouco superior a 20,000$. 

Nos cálculos de Christiano, 16:000$000 seriam suficientes para contratar 50 homens com ferramentas, e havendo serviço diligente, haveria de se fazer o leito da estrada de ferro, desde que concorressem o auxílio do Estado e da União, porém faz critica a intervenção estadual, nestes termos:
“embora sem as obras de arte, e teríamos mais probabilidade de serem concluídos os trabalhos sem as exigências de garantia, porém para desconto dos meus pecados, e descrédito de um presidente do Estado que procura moralizar a sua administração, as rendas municipais de Campina constituem o patrimônio da família donataria d’esta aldeia colonial”.
Ainda havia uma esperança, se a companhia arrendataria, nos seus próprios interesses, enfrentasse o empreendimento. E ao que parece, o “gringo” demonstrava certo conhecimento de engenharia, quando escreve:
“Para isto poderá concorrer a discussão sobre a preferência de traçados, quando um d’estes é quase irrealizável pela dificuldade imensa que o terreno oferece? Parece-me que não, por muito fácil que seja o traçado do sul, por muitas vantagens que ofereça, ainda assim tenho dúvidas em ser realizado, quanto mais o traçado do norte. Uma das vantagens que se oferece à companhia, que só pode ser aproveitada no prolongamento do sul, é a condução do gado para o consumo de Pernambuco, o que é infalível, embora mais dispendioso, porque basta ser tentado por um marchante para os outros serem obrigados a imitá-lo, porque a superioridade da carne do gado conduzido no trem será suficiente para determinar esta modificação. (...). Quanto a ponto de partida do prolongamento, não tendo a companhia interesse em ser da estação ‘Rosa e Silva’, e pelo contrário haverá mais uns 12 kilômetros de estrada a contruir-se, estou certo que resolvido o prolongamento não haverá dificuldade em ser o ponto de partida Itabaiana(...)”.
A construção da via férrea de Campina foi uma verdadeira luta de Christiano Lauritzem, que empenhou-se pessoalmente:
“Para consegui-la, fiz sacrifícios até da minha segurança e tranqüilidade, aceitando as lutas políticas que só poderia prejudicar-me; no dia, porém, em que ouvir (embora mal) o apito estridente da locomotiva no planalto da Borborema, hão de testemunhar as loucuras que um gringo pode fazer, não pela destruição do seu Cartago, mas sim pela construção do maior e mais potente fator da civilização moderna”.
Ao final venceu o bom senso, e com o operoso esforço do dinamarquês o trem chegou a Campina em 02 de outubro de 1907. Fora recepcionado pelo então prefeito Christiano Lauritzen. O médico Assis Chateaubriand Bandeira de Melo fez a oratória, inaugurando uma onda de progresso e Campina nunca mais parou de ser grande.

Referências:
- A PROVÍNCIA, Jornal. Edição de 14 de novembro. Ano XXIV. Recife/PE: 1901.
- JOFFILY, Irineu. Notas sobre a Paraíba. Edição fac-similar de 1892. Thesaurus: 1977.
- JOFFILY, José. Entre a monarquia e a república. Livraria Kosmos Editora: 1982.
- SERTÃO, Gazeta do. Edições de 06/06, 11, 18 e 25/07. Campina Grande/PB: 1890.

 
BlogBlogs.Com.Br